sicnot

Perfil

Desporto

Nick Kyrgios volta a ser multado por uso de linguagem imprópria

O tenista australiano Nick Kyrgios foi esta terça-feira condenado a pagar uma multa de 1500 dólares (cerca de 1320 euros) por linguagem inapropriada durante um encontro da primeira ronda do Masters 100 de Xangai, contra o austríaco Andreas Haider-Maurer.

Na segunda-feira, quando chegou a Xangai, Kyrgios, que é conhecido pelos seus excessos e pelo uso de linguagem inapropriada, afirmou que o Masters 1000 de Xangai tinha uma "superfície de m...".

Na segunda-feira, quando chegou a Xangai, Kyrgios, que é conhecido pelos seus excessos e pelo uso de linguagem inapropriada, afirmou que o Masters 1000 de Xangai tinha uma "superfície de m...".

© Thomas Peter / Reuters

O 'bad boy' do circuito ATP, vice-campeão do Estoril Open, qualificou o torneio como "um circo" e queixou-se dos apanha bolas.

Na segunda-feira, quando chegou a Xangai, Kyrgios, que é conhecido pelos seus excessos e pelo uso de linguagem inapropriada, afirmou que o Masters 1000 de Xangai tinha uma "superfície de m...".

O tenista australiano está a cumprir uma pena suspensa até 24 de fevereiro de 2016, por ter proferido declarações ofensivas no encontro com o Stanislas Wawrinka, no torneio de Montreal, que implicavam a companheira do jogador suíço e o tenista australiano Thanasi Kokkinakis.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.