sicnot

Perfil

Desporto

Liga de clubes espera que cada órgão atue sobre ofertas do Benfica a árbitros

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) disse hoje esperar "serenamente" que cada órgão atue sobre as ofertas do Benfica a árbitros, denunciadas pelo presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, a 5 de outubro.

Bruno Paixão volta a dirigir um jogo do Sporting na I Liga de Futebol

Bruno Paixão volta a dirigir um jogo do Sporting na I Liga de Futebol

REUTERS

"A Liga Portuguesa de Futebol Profissional aguardará serenamente que cada órgão faça o seu trabalho", afirmou fonte oficial do organismo, questionada pela agência Lusa sobre a sua atuação quanto às declarações do responsável 'leonino', sem confirmar a existência de um processo na Comissão de Instrução e Inquéritos (CII).

Igualmente contactada pela Lusa, a assessoria de comunicação da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) confirmou que, além da participação feita ao Ministério Público, a direção federativa solicitou a abertura de um processo no Conselho de Disciplina, que o remeteu, para instrução, para a CII da LPFP.

Em causa estão as declarações de Bruno de Carvalho, prestadas no dia 05 de outubro, no programa Prolongamento, na TVI24, sobre alegadas ofertas feitas pelo Benfica a árbitros, delegados da LPFP e observadores, em particular 'vouchers' de refeição, avaliados pelo presidente 'leonino' em cerca "um quarto de milhão de euros" por ano.

Na terça-feira, uma fonte do Sporting defendeu que "o Ministério Público é para averiguar se há corrupção e qual o grau que esta atingiu, mas a FPF já deveria ter tomado uma decisão a nível desportivo".

"A FPF não ficou impávida e serena. Quando soube da denúncia comunicou-a à Procuradoria-Geral da República. A justiça segue o seu caminho e neste momento a federação não tem de interferir", respondeu fonte federativa.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras