sicnot

Perfil

Desporto

Andy Sullivan isola-se na liderança do Portugal Masters

O inglês Andy Sullivan isolou-se esta sexta-feira no comando do Portugal Masters e ficou mais próximo de se tornar no primeiro golfista a vencer três provas do European Tour esta temporada.

Depois de ter terminado a primeira volta com sete pancadas abaixo do par, Sullivan, que já venceu os 'opens' da África do Sul e de Joanesburgo, repetiu os 64 'shots' da véspera, cumprindo metade do torneio com 128 (14 abaixo do par).

Depois de ter terminado a primeira volta com sete pancadas abaixo do par, Sullivan, que já venceu os 'opens' da África do Sul e de Joanesburgo, repetiu os 64 'shots' da véspera, cumprindo metade do torneio com 128 (14 abaixo do par).

Lusa

Apenas dois portugueses garantiram a qualificação para as duas rondas finais, Ricardo Melo Gouveia e o amador Tomás Silva, ambos com um agregado de 139 pancadas (três abaixo do par).

Depois de ter terminado a primeira volta com sete pancadas abaixo do par, Sullivan, que já venceu os 'opens' da África do Sul e de Joanesburgo, repetiu os 64 'shots' da véspera, cumprindo metade do torneio com 128 (14 abaixo do par).

"É sempre bom consolidar um bom resultado com um novo. Às vezes é um pouco difícil fazê-lo depois um bom resultado na véspera. Mas joguei da mesma forma de ontem [quinta-feira]. Senti-me realmente confiante no campo, ataquei de novo as bandeiras e 'puttei' com o coração", disse o 22.º do 'ranking' do circuito europeu e 66.º do mundo.

Sullivan, de 28 anos, conseguiu mesmo igualar a maior vantagem da história do mais importante torneio português após duas rondas, comandando com três pancadas de vantagem sobre o belga Thomas Pieters, que também pode conseguir o terceiro triunfo da época no circuito europeu.

O inglês conseguiu mesmo a melhor volta do dia, apenas igualado pelo austríaco Bernd Wiesberger e pelo compatriota Tommy Fleetwood, que está a cinco pancadas da liderança.

Na terceira posição, a uma pancada de Pieters, estão o espanhol Eduardo de la Riva e Wiesberger.

O belga Nicolas Colsaerts, que partilhava a liderança na quinta-feira, caiu hoje para o grupo dos nonos classificados, ao cumprir a segunda volta no par 71, estando a sete pancadas do topo.

Já afastado de prova está o vencedor de 2014, o francês Alexander Levy, que terminou a segunda volta com um agregado de 176 pancadas (quatro acima do par).

Também fora do 'cut' ficou o norte-irlandês Darren Clarke, vencedor do Open Britânico de 2011 e capitão da Europa na Ryder Cup de 2016, com quatro pancadas acima do par.

Outros três vencedores de 'majors' passaram para as duas rondas finais, com o alemão Martin Kaymer (PGA Championship em 2010 e Open dos Estados Unidos em 2014) e o irlandês Padraig Harrington (Open Britânico de 2007 e 2008 e PGA Championship de 2008) a terminarem com duas pancadas abaixo do par, menos uma do que o escocês Paul Lawrie (Open Britânico em 1999).

Na nona edição do Portugal Open poderá haver finalmente um antigo vencedor a bisar, com o espanhol Alvaro Quirós (vencedor em 2008) a estar em melhor posição, embora a sete pancadas de Sullivan.

O australiano Richard Green, que venceu em Vilamoura em 2010, está com quatro 'shots' abaixo do par, enquanto o inglês Tom Lewis (2011) foi eliminado.

Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43