sicnot

Perfil

Desporto

Beckenbauer assume erro enquanto responsável pelo Mundial2006

O antigo futebolista alemão Franz Beckenbauer assumiu esta segunda-feira que cometeu um "erro" enquanto presidente do comité organizador do Mundial de 2006, na Alemanha, mas garante que não comprou votos para ter o direito de sediar a prova.

Em comunicado, Beckenbauer admite que errou ao não rejeitar uma "proposta" que foi feita pela Comissão de Finanças da FIFA e assumiu a responsabilidade por isso. (Arquivo)

Em comunicado, Beckenbauer admite que errou ao não rejeitar uma "proposta" que foi feita pela Comissão de Finanças da FIFA e assumiu a responsabilidade por isso. (Arquivo)

Markus Schreiber / AP

Em comunicado, Beckenbauer admite que errou ao não rejeitar uma "proposta" que foi feita pela Comissão de Finanças da FIFA e assumiu a responsabilidade por isso, explicando que já esclareceu toda a situação perante a Comissão de Investigação Externa criada pela federação alemã para investigar uma eventual compra de votos.

Sem adiantar qual foi a proposta recebida pela FIFA, o 'Kaiser' limitou-se a afirmar que essa entidade lhe fez uma proposta que, sob a perspetiva de hoje, deveria ter sido rejeitada, mas reitera que nenhum voto foi comprado.

Segundo revelou na semana passada o presidente da federação alemã, Wolfgang Niersbach, a FIFA pediu a Beckenbauer um pagamento de 6,7 milhões de euros como condição para receber uma subvenção de 170 milhões.

Segundo Niersbach, a condição da FIFA foi aceite e esse pagamento foi suportado pelo então presidente da marca desportiva Adidas, Robert Louis-Dreyfus, falecido em 2008, com o dinheiro a ser devolvido pela federação a Louis-Dreyfus em 2005.

Na votação, que decorreu no ano de 2000, a Alemanha ganhou o direito de organizar o campeonato do mundo de futebol por uma vantagem de um voto, tendo conquistado 12, contra os 11 da África do Sul, após a abstenção do neozelandês Charles Dempsey.

Lusa

  • Ministra emocionou-se no Parlamento
    2:26

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A ministra da Administração Interna disse esta quarta-feira no Parlamento que está, desde a primeira hora, a recolher, analisar e cruzar todos os dados do incêndio de Pedrógão Grande. Constança Urbano de Sousa emocionou-se diante dos deputados e admitiu que tem ainda muitas dúvidas sobre o que aconteceu. Foi pedido um estudo independente ao funcionamento do sistema de comunicações de emergência e uma auditoria à Secretaria-Geral da Administração Interna, a entidade gestora do SIRESP. A ministra explicou porquê.

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contido" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.