sicnot

Perfil

Desporto

Mascherano admite fuga ao fisco no valor de 1,5 milhões de euros

O internacional argentino Javier Mascherano, futebolista do Barcelona, admitiu esta quinta-feira em tribunal ter ocultado ao fisco uma verba de 1,5 milhões de euros recebida em 2011 e 2012.

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação. (Arquivo)

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

O facto de Mascherano ter reconhecido que ocultou às autoridades fiscais a verba de 1,5 milhões de euros evitou que o futebolista fosse interrogado pela juíza e pelo advogado do Ministério Público.

"Mascherano admitiu os factos, pelo que não houve necessidade de o interrogar", afirmou uma fonte judicial, citada pela agência AFP.

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação.

O médio argentino era acusado de ter utilizado empresas estrangeiras para ocultar do fisco espanhol receitas provenientes dos seus direitos de imagem referentes a um período entre 2011 e 2012.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.