sicnot

Perfil

Desporto

Mascherano admite fuga ao fisco no valor de 1,5 milhões de euros

O internacional argentino Javier Mascherano, futebolista do Barcelona, admitiu esta quinta-feira em tribunal ter ocultado ao fisco uma verba de 1,5 milhões de euros recebida em 2011 e 2012.

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação. (Arquivo)

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

O facto de Mascherano ter reconhecido que ocultou às autoridades fiscais a verba de 1,5 milhões de euros evitou que o futebolista fosse interrogado pela juíza e pelo advogado do Ministério Público.

"Mascherano admitiu os factos, pelo que não houve necessidade de o interrogar", afirmou uma fonte judicial, citada pela agência AFP.

Em setembro, face à investigação fiscal, o futebolista devolveu 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200 mil euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação.

O médio argentino era acusado de ter utilizado empresas estrangeiras para ocultar do fisco espanhol receitas provenientes dos seus direitos de imagem referentes a um período entre 2011 e 2012.

Lusa

  • Mais de 1600 ações de fiscalizações a IPSS em dois anos
    1:05

    Expresso da Meia Noite

    Nos últimos dois anos, o Estado efetuou mais de 1600 ações de fiscalização a Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) das quais resultaram mais de 70 destituições e 80 participações ao Ministério Público (MP). Os números foram avançados pela secretária de Estado da Segurança Social, Cláudia Joaquim, no programa Expresso da Meia-noite, na SIC Notícias.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23
  • Ilhas Selvagens são um tesouro no Atlântico que é preciso preservar
    2:33