sicnot

Perfil

Desporto

João Sousa na final do torneio de Valência

O tenista português João Sousa, 46.º do ranking mundial, qualificou-se hoje para a final do torneio de Valência, Espanha, ao vencer o canadiano Vasek Pospisil, 43.º da hierarquia mundial, por 6-4 e 6-4.

KAI FOERSTERLING / EPA

João Sousa defrontou Pospisil pela segunda vez e, ao fim de 1:21 horas, voltou a derrotar o seu adversário canadiano, depois de já o ter feito este ano na ronda inaugural do 'Grand Slam' francês de Roland Garros.

Esta foi a quinta vez esta temporada que João Sousa disputou as meias-finais de um torneio do circuito profissional, tendo assegurado a sua quarta final em 2015, a sexta da carreira, na qual conta um triunfo em Kuala Lumpur.

Na final, o jogador português vai defrontar o vencedor do encontro entre o espanhol Roberto Bautista, sétimo cabeça de série, e o norte-americano Steve Johnson.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.