sicnot

Perfil

Desporto

Taarabt nos convocados do Benfica para jogo com o Galatasaray

O marroquino Taarabt regressou esta segunda-feira aos convocados do Benfica para o encontro de terça-feira com o Galatasaray, da quarta jornada do Grupo C da Liga dos Campeões de futebol, ficando fora da convocatória Mitroglou.

O Benfica lidera o Grupo C, com seis pontos, em igualdade com o Atlético de Madrid, enquanto o Galatasaray tem quatro pontos e o Astana tem um. (Arquivo)

O Benfica lidera o Grupo C, com seis pontos, em igualdade com o Atlético de Madrid, enquanto o Galatasaray tem quatro pontos e o Astana tem um. (Arquivo)

© Osman Orsal / Reuters

O avançado grego lesionou-se antes da partida com o Tondela, para a qual ainda integrou os convocados, ficando fora da partida com os turcos, assim como o sérvio Fejsa, também com problemas físicos, e o médio grego Samaris, castigado.

Em relação à goleada sobre os tondelenses (4-0), saem ainda da lista Clésio Baúque e Francisco Vera, que não estão inscritos na Liga dos Campeões, e entram Lindelof, Taarabt e João Teixeira.

O Benfica lidera o Grupo C, com seis pontos, em igualdade com o Atlético de Madrid, enquanto o Galatasaray tem quatro pontos e o Astana tem um.

O Benfica recebe o Galatasaray na terça-feira, às 19:45, numa partida que será arbitrada pelo sérvio Milorad Mazic.

Lista de 19 jogadores:

- Guarda-Redes: Júlio César e Ederson.

- Defesas: Lisandro Lopez, Luisão, Lindelof, Eliseu, Sílvio, Jardel e André Almeida.

- Médio: Gaitán, Gonçalo Guedes, Pizzi, Taarabt, Cristante, Talisca, Carcela e João Teixeira.

- Avançados: Raul Jimenez e Jonas.

Lusa

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
  • Trump diz que Obamacare vai "colapsar"

    Mundo

    O Presidente norte-americano tentou desvalorizar a derrota política sofrida na sexta-feira no Congresso, ao desistir da revogação da lei de saúde pública do seu antecessor, conhecida como Obamacare, afirmando que esta vai colapsar por si mesma.