sicnot

Perfil

Desporto

Turkish Airlines diz que processo relativo a adeptos do FC Porto seguiu para Tribunal

A Turkish Airlines disse hoje que os tribunais vão avaliar os desacatos provocados por quatro adeptos do FC Porto num voo que seguia para Istambul, obrigando a uma aterragem de emergência em Roma, admitindo ainda vir a tomar medidas internas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Navesh Chitrakar / Reuters

Em resposta à Lusa, a companhia aérea turca explicou que "as autoridades policiais italianas fizeram a intervenção necessária e o assunto seguiu para Tribunal", referindo que poderá ainda tomar medidas internas após a análise do sucedido no voo TK 1450, com destino a Istambul.

Quatro adeptos do FC Porto provocaram no domingo desacatos num avião que seguia para Istambul, na Turquia, levando o comandante a optar por aterrar em Roma, onde aqueles elementos foram expulsos.

"A companhia poderá tomar as ações necessárias, em conformidade com os regulamentos da empresa, estando ainda o processo em avaliação", adiantou o responsável pela comunicação social, Ali Genc, à Lusa.

O líder da claque portista Super Dragões, Fernando Madureira, disse à Lusa que, num voo de uma companhia turca em que seguiam mais de 30 adeptos do FC Porto, quatro criaram problemas com as hospedeiras e o comandante entendeu aterrar em Roma.

Fernando Madureira relatou que os adeptos foram expulsos do avião, mas não foram detidos, e hoje vão prosseguir, por meios próprios, rumo a Israel, para assistir ao desafio do FC Porto quarta-feira em Telavive, para a Liga dos Campeões de futebol.

O voo da Turkish Airlines prosseguiu posteriormente a rota para Istambul, de onde a restante claque seguiu para Telavive.

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • Governo quer que preço da energia deixe de ser superior ao resto da Europa
    1:38

    Economia

    O preço da luz vai descer para as famílias já a partir de janeiro, o que não acontece há 17 anos. É uma descida quase simbólica, de 0,2%. Ainda assim, o secretário de Estado da Energia, Jorge Seguro Sanches, disse, em entrevista na SIC Notícias, que é um sinal e que, até ao final da legislatura, o Governo quer que o país deixe de praticar preços superiores à média europeia.