sicnot

Perfil

Desporto

Mourinho lembra que foram precisos 11 anos para viver o pior momento da carreira

O português José Mourinho reafirmou esta terça-feira que vai continuar no Chelsea até ao final do seu contrato, em 2019, e lembrou que foram precisos 11 anos para viver o pior momento da sua carreira como treinador de futebol.

"Tenho quatro anos de contrato. Melhor, tenho três anos e três meses, algo assim. Se eu me tornasse melhor treinador devido aos maus resultados, então seria muito mau treinador e nos últimos 15 anos nunca teria melhorado. Tenho que ser melhor todos dias, analiso todos os detalhes, analiso tudo. Estou a viver algo novo e é por isso que sou bom. Nunca vivi isto", disse o técnico português.

"Tenho quatro anos de contrato. Melhor, tenho três anos e três meses, algo assim. Se eu me tornasse melhor treinador devido aos maus resultados, então seria muito mau treinador e nos últimos 15 anos nunca teria melhorado. Tenho que ser melhor todos dias, analiso todos os detalhes, analiso tudo. Estou a viver algo novo e é por isso que sou bom. Nunca vivi isto", disse o técnico português.

© Reuters Staff / Reuters

"Em 2004, depois de vencer a Liga dos Campeões com o FC Porto, eu disse que, um dia, os maus resultados teriam que aparecer e que teria que os enfrentar com a mesma honestidade e dignidade com que me tornei campeão europeu. Onze anos depois, resisti bem à natureza do meu trabalho e à natureza do futebol. Onze anos a esperar por isso. Levou tempo, mas apareceu num momento em que estou estável e com força para enfrentá-lo", afirmou Mourinho.

O técnico português, que falava na conferência de imprensa de antevisão da receção ao Dínamo Kiev, do Grupo G da Liga dos Campeões, negou que se sinta melhor treinador devido aos problemas que tem vivido no Chelsea esta temporada.

"Tenho quatro anos de contrato. Melhor, tenho três anos e três meses, algo assim. Se eu me tornasse melhor treinador devido aos maus resultados, então seria muito mau treinador e nos últimos 15 anos nunca teria melhorado. Tenho que ser melhor todos dias, analiso todos os detalhes, analiso tudo. Estou a viver algo novo e é por isso que sou bom. Nunca vivi isto", referiu.

Mourinho voltou a rejeitar que existam quaisquer problemas com os seus jogadores e adiantou que "todos estão a dar o seu melhor em todos os minutos das sessões de treino".

"Há uma grande solidariedade entre todos. Existe uma fantástica relação pessoal e uma muito boa relação profissional. Os meus jogadores treinam sempre no limite. Dão tudo. Querem sempre ganhar e é isso que vamos tentar fazer contra o Dínamo Kiev", frisou.

Na mesma conferência de imprensa, o capitão John Terry confirmou que os jogadores dos 'blues' estão "todos com Mourinho" e que o técnico luso "não é o culpado" pelo mau arranque de época do Chelsea.

"Não temos jogado bem e a culpa é totalmente nossa, dos jogadores. Temos que nos manter unidos. Nos últimos dias, o que tem sido dito nos jornais sobre o que se passa no balneário é completamente ridículo. Os jogadores estão 100 por cento com Mourinho", garantiu o defesa central inglês.

O avançado colombiano Falcao, antigo jogador do FC Porto, lesionou-se hoje no treino e vai estar afastado dos relvados durante as próximas semanas, revelou Mourinho.

Lusa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13