sicnot

Perfil

Desporto

Presidente do Trabzonspor da Turquia suspenso por reter árbitro no estádio

O presidente do Trabzonspor, Ibrahim Haciosmanoglu, foi suspenso por dez meses e multado em 48.500 euros por ter retido o árbitro do último jogo para a liga turca de futebol, anunciou hoje a federação do país.

© Giorgio Perottino / Reuters

A Federação Turca de Futebol também decretou que o Trabzonspor jogará os dois próximos jogos do campeonato em casa à porta fechada.

Haciosmanoglu manteve retido o árbitro Cagatay Sahan, do último jogo a contar para a liga turca, e os restantes elementos da equipa de arbitragem, só os libertando depois de receber uma chamada do Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan.

O presidente do Trabzonspor queixou-se da arbitragem, por esta não ter assinalado um penálti a seu favor, e manteve a mesma dentro do estádio durante quatro horas.

O jogo de quarta-feira da semana passada contra o Gaziantepspor, a contar para a 10.ª jornada, terminou empatado 2-2, no estádio Hüseyin Avni Aker.

Quando informado sobre o assunto, o presidente do clube, que estava em Istambul, a cerca de 900 quilómetros de Trebizonda, ordenou que não deixassem o árbitro abandonar as instalações, prometendo que ia apanhar um avião privado para se deslocar ao recinto.

Depois disto, Haciomasnoglu ligou para a emissora de televisão 'A Spor', para se queixar em direto da atuação do árbitro, e utilizou expressões como "se temos que morrer, morreremos como homens, mas nunca viveremos como mulheres", reafirmando que o árbitro não podia sair do estádio sem que ele chegasse.

Quatro horas mais tarde, uma chamada telefónica do Presidente da Turquia conseguiu acalmar o empresário, que deu permissão para o árbitro abandonar o estádio.

O Trabzonspor ocupa atualmente a nona posição da tabela classificativa e tem no seu plantel o português José Bosingwa e o paraguaio ex-Benfica Óscar Cardozo.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.