sicnot

Perfil

Desporto

Agência Mundial Antidopagem recomenda suspensão da Federação russa de atletismo

A Comissão Independente (CI) da Agência Mundial Antidopagem (AMA) recomendou hoje a suspensão da Federação russa de atletismo, por práticas de doping, assim como a retirada da acreditação ao laboratório de Moscovo.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Denis Balibouse / Reuters

A AMA tornou hoje público o relatório elaborado pela comissão, que acusa, entre outras coisas, os serviços secretos russos de intimidação e recomenda, igualmente, a suspensão para a vida de cinco atletas e cinco treinadores.

"A CI [Comissão Independente] recomendou que a IAAF suspenda a ARAF (Federação Russa de atletismo]", indica o relatório da órgão criado para investigar os casos.

Entre os atletas que a comissão quer ver afastados do atletismo está Maria Savanova, campeã olímpica dos 800 metros nos Jogos de Londres2012.

A agência mundial criou uma comissão de três elementos, chefiada por Dick Pound, justamente com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a pública por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014.

De acordo com os responsáveis da Comissão, é muito claro que os casos de doping no atletismo russo "não poderiam ter acontecido" sem o conhecimento e consentimento do governo russo.

"Tudo isto não seria possível de acontecer sem o conhecimento das autoridades estatais", começou por dizer Dick Pound à imprensa, no âmbito da apresentação do relatório com enfoque na dopagem no atletismo russo.

Questionado se as irregularidades dos atletas russos teriam apoio do Estado, Pound disse: "sim, não creio que seja possível outra conclusão. Não tinha como não saberem".

A AMA quer agora que a Rússia seja impedida de estar nos Jogos do Rio2016, face à questão do doping, e o relatório de hoje chega ao ponto de referir que os Jogos de Londres2012 foram "sabotados" com a participação de atletas dopados.

O relatório incide unicamente na Rússia e no atletismo, mas a AMA considera que a "dopagem organizada" diz também respeito a outros países e outros desportos.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.