sicnot

Perfil

Desporto

Barcelona pode apresentar recurso para poder inscrever Turan

O Barcelona vai apresentar recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) se nas próximas semanas a FIFA continuar a não se pronunciar sobre o pedido para inscrever o turco Arda Turan no lugar do brasileiro Rafinha.

O Barça diz que espera há semanas por resposta escrita sobre a possível inscrição de Turan, bem como de outras questões relacionadas com o castigo de dois períodos de transferências sem poder fazer contratações, que entende já cumprido.

O Barça diz que espera há semanas por resposta escrita sobre a possível inscrição de Turan, bem como de outras questões relacionadas com o castigo de dois períodos de transferências sem poder fazer contratações, que entende já cumprido.

© Gustau Nacarino / Reuters

A decisão foi hoje tomada em reunião da junta diretiva do líder da liga espanhola de futebol, clube que não conta com Rafael Alcântara para os próximos tempos, por lesão prolongada (rotura do ligamento cruzado anterior do joelho direito, com necessidade de cirurgia).

O Barça diz que espera há semanas por resposta escrita sobre a possível inscrição de Turan, bem como de outras questões relacionadas com o castigo de dois períodos de transferências sem poder fazer contratações, que entende já cumprido.

"Se nas próximas semanas continuar o silêncio administrativo da FIFA, o FC Barcelona dará por encerrado esse passo legal precetivo e apresentará recurso no TAS, por falta de defesa", refere o comunicado.

A junta diretiva do clube catalão também se debruçou sobre o castigo de 40 mil euros por exibição de bandeiras independentistas durante o jogo contra o Bayer Leverkusen da Liga dos Campeões, imposto pela UEFA, reforçando que caso o recurso apresentado não seja admitido poderá recorrer para o TAS, e, se necessário para a jurisdição ordinária e o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.