sicnot

Perfil

Desporto

Gastão Elias mais confiante após subida de quase 50 lugares no ranking mundial

O tenista português Gastão Elias confessou esta segunda-feira à agência Lusa que os quase 50 lugares que subiu no 'ranking' mundial nas duas últimas semanas o enchem de confiança para os próximos dois 'challengers' que vai jogar.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Vincent Kessler / Reuters

"Esta subida dá-me muita motivação e confiança, o que, obviamente, é bastante importante para seguir em frente", reconheceu à agência Lusa desde Buenos Aires (Argentina), onde esta semana vai disputar mais um 'challenger' no seu interminável périplo sul-americano.

Desde finais de setembro que o número dois nacional anda a acumular quilómetros e vitórias na América do Sul, mas foi nas duas últimas semanas que o jovem da Lourinhã conseguiu algo inédito na sua carreira: dois títulos consecutivos no circuito 'challenger'.

Depois de vencer o torneio de Lima (Peru), Gastão Elias voltou este domingo a sagrar-se campeão em Guaiaquil, no Equador, um triunfo que lhe permitiu galgar mais 29 lugares na hierarquia ATP, situando-se agora na 135.ª posição, a sua melhor classificação desde abril.

Ainda há duas semanas, o tenista de 24 anos ocupava o 182º lugar no 'ranking', mas hoje sente-se a jogar ao nível de um 'top 100': "Tive algumas vitórias consecutivas sobre jogadores do 'top 100', por isso acredito que esteja a jogar a esse nível".

A atravessar um excelente momento de forma, Elias garante que nem pensa em prosseguir a série de títulos esta semana, em Buenos Aires.

"Não penso em títulos, não pensei no primeiro, não pensei no segundo e também não vou pensar no terceiro. Todos os jogos são muito difíceis e penso em cada um como se pudesse ser o último do torneio. Obviamente, que tenho como objetivo ganhar todos os torneios que jogo, mas não é uma coisa que fique a pensar durante o torneio", assumiu.

Longe dos seus familiares e amigos há quase dois meses, o 'mágico' diz que as saudades são algo com que já aprendeu a lidar.

"Desde os 16 que vivo fora de Portugal, então já me acostumei a estar longe da família. A namorada consigo ver mais vezes por ela morar na Flórida, mas hoje em dia as tecnologias facilita bastante", concluiu.

Lusa