sicnot

Perfil

Desporto

Federação Portuguesa de Atletismo considera doping russo um "crime organizado"

O presidente da Federação Portuguesa de Atletismo (FPA), Jorge Vieira, considerou esta terça-feira que o escândalo do doping russo "configura uma situação de crime organizado", com "repercussões preocupantes", e defendeu "a exclusão de todos os prevaricadores".

A Agência Mundial de Antidopagem criou uma comissão de três elementos com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a público por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014. (Arquivo)

A Agência Mundial de Antidopagem criou uma comissão de três elementos com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a público por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014. (Arquivo)

© Pawel Kopczynski / Reuters

Em declarações à agência Lusa, Jorge Vieira disse que o que preocupa mais nesta situação é que, ao contrário do que é habitual em casos anteriores, de que os processos de doping são individuais, se está "perante um caso organizado ao nível da federação russa de atletismo e do próprio país".

"Não se tratam de casos individuais, isolados, de um atleta ou outro, mas configura uma situação de crime organizado superiormente, com falhas éticas gravíssimas cometidas por uma federação ou por um país. Isto é muito mais grave e preocupante do que outra qualquer situação anterior", considerou.

Em causa está um relatório da Comissão Independente (CI) da AMA, tornado público na segunda-feira, que recomenda a suspensão da Federação russa de atletismo, por práticas de doping, assim como a retirada da acreditação ao laboratório de Moscovo, cujo diretor foi responsável pela destruição de 1.417 amostras consideradas suspeitas de práticas dopantes.

O documento elaborado pela comissão acusa também, entre outras coisas, os serviços secretos russos de intimidação dos responsáveis pela análise de amostras recolhidas nos Jogos Olímpicos de Sochi (2014) e recomenda, igualmente, a erradicação de cinco atletas e cinco treinadores.

"Segundo rezam as notícias que se vão ouvindo, todo este processo de dopagem tinha a conivência da federação russa, o que é obviamente muito grave, e não tenho outra leitura da que a começa a estar em cima da mesa e que passa pela suspensão do próprio organismo", adiantou Jorge Vieira.

O dirigente defende que da mesma forma que "quando há um atleta que prevarica este deve ter consequências pessoais", também quando é uma organização que prevarica esse organismo deve "sofrer consequências institucionais organizacionais, nomeadamente a sua suspensão, que é o que a própria IAAF estará a apreciar.

"Não podemos, com estes casos, ainda por cima organizados, generalizarmos e dizer que todo o desporto é isto. As famílias podem ficar tranquilas que ao colocarem os seus filhos no desporto não estão a expô-los a esta situação automaticamente e à necessidade de entrarem nestes esquemas de manipulação", sustenta Jorge Vieira.

Para o dirigente, que recorda que os praticantes de atletismo são dos atletas mais escrutinados, dado que a ingestão de um simples medicamento para a febre pode acusar doping, "o desporto continua a ser uma atividade saudável e recomendável".

"Há que combater estas situações e com os meios mais fortes, como a exclusão de todas estas pessoas que prevaricam nestes esquemas organizados. Aquilo que defendo é que atletas, treinadores e dirigentes que prevariquem devem ser afastados de toda a prática desportiva, sem apelo nem agravo, disse.

Jorge Vieira considera que todas estas situações são preocupantes para aquilo que é "o sonho ético de um desporto limpo, em que cada um compete com as suas próprias capacidades, limites, talentos e afastando qualquer forma de manipulação artificial do seu desempenho desportivo".

"Espero que a justiça a nível internacional, nomeadamente nas respetivas instâncias da IAAF e da Agência Mundial Antidopagem [AMA], tome os devidos cuidados para nos assegurar que estamos num sistema em que competimos de igual para igual", defendeu ainda Jorge Vieira.

Entre os atletas que a comissão quer ver afastados do atletismo está Mariya Savinova, campeã olímpica dos 800 metros nos Jogos de Londres2012, e Ekaterina Poistogova, bronze na mesma categoria.

A agência mundial criou uma comissão de três elementos, chefiada por Dick Pound, justamente com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a público por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014.

De acordo com os responsáveis da Comissão, é muito claro que os casos de doping no atletismo russo "não poderiam ter acontecido" sem o conhecimento e consentimento do governo russo.

A AMA quer agora que a Rússia seja impedida de estar nas provas de atletismo dos Jogos do Rio2016, considerando que os resultados de Londres2012 foram "sabotados" pela presença de atletas dopados.

O presidente da IAAF, o britânico Sebastian Coe, vai propor ao conselho diretivo que considere a recomendação da AMA para sancionar a federação russa, numa penalização que poderá levar à suspensão total e retirada dos atletas russos de futuras competições da IAAF.

Lusa

  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.