sicnot

Perfil

Desporto

Governo russo exige provas concretas de doping no atletismo

O governo russo exigiu hoje provas concretas que suportem as alegações de existência de doping generalizado no atletismo russo, um dia depois de ter sido revelado um relatório da agência mundial antidopagem (AMA).

reuters

"Se existirem acusações elas têm que ser sustentadas com prova. Até que apresentem alguma prova é difícil aceitar quaisquer acusações, na medida em que carecem de fundamento", disse hoje à imprensa Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin.

Entretanto, a Federação russa de atletismo revelou que vai "submeter brevemente à IAAF [Federação Internacional de Atletismo] um documento do [seu] programa antidopagem e os passos concretos da sua implementação".

"Uma ligação honesta [com a IAAF] será mais efetiva do que qualquer suspensão ou isolamento", salientou a Federação russa.

Para a Rússia, que organizou os Jogos Olímpicos de inverno de Sochi2014 e vai receber o Mundial2018 de futebol, o tempo urge: tem até ao final da semana para responder ao relatório da AMA, que denuncia "doping organizado" nos seus atletas de elite.

Caso contrário, o país arrisca a suspensão do seu atletismo de todas as competições, entre as quais os Jogos Olímpicos do Rio2016.

O relatório da Comissão Independente (CI) da AMA, tornado público na segunda-feira, recomenda a suspensão da Federação russa de atletismo, por práticas de doping, assim como a retirada da acreditação ao laboratório de Moscovo, cujo diretor foi responsável pela destruição de 1.417 amostras consideradas suspeitas de práticas dopantes.

O documento elaborado pela comissão acusa também, entre outras coisas, os serviços secretos russos de intimidação dos responsáveis pela análise de amostras recolhidas nos Jogos Olímpicos de Sochi (2014) e recomenda, igualmente, a erradicação de cinco atletas e cinco treinadores.

Entre os atletas que a comissão quer ver afastados do atletismo está Mariya Savinova, campeã olímpica dos 800 metros nos Jogos de Londres2012, e Ekaterina Poistogova, bronze na mesma categoria.

A agência mundial criou uma comissão de três elementos, chefiada por Dick Pound, justamente com o objetivo de investigar os casos de doping, trazidos a público por uma estação televisiva alemã em dezembro de 2014.

De acordo com os responsáveis da Comissão, é muito claro que os casos de doping no atletismo russo "não poderiam ter acontecido" sem o conhecimento e consentimento do governo russo.

A AMA quer agora que a Rússia seja impedida de estar nas provas de atletismo dos Jogos do Rio2016, considerando que os resultados de Londres2012 foram "sabotados" pela presença de atletas dopados.

O presidente da IAAF, o britânico Sebastian Coe, vai propor ao conselho diretivo que considere a recomendação da AMA para sancionar a federação russa, numa penalização que poderá levar à suspensão total e retirada dos atletas russos de futuras competições da IAAF.

  • "Se me pergunta se estou de consciência tranquila, estou"
    2:13

    País

    O ministro Vieira da Silva assegura que aguarda com tranquilidade que a investigação em curso esclareça as alegadas irregularidades na associação Raríssimas. Alguns mecenas estão já a suspender o apoio, na sequência do escândalo que já levou a duas demissões. 

  • Novo regime dos recibos verdes "acaba com as injustiças dos escalões"
    1:10
  • Brinquedos tecnológicos para oferecer no Natal
    5:33
  • Aniversário de Marcelo passado nas comemorações dos 700 anos da Marinha
    1:45

    País

    O Presidente da República defende que é preciso continuar a investir na Armada, nas pessoas, nas capacidades e no apoio de retaguarda. No dia em que fez 69 anos, Marcelo Rebelo de Sousa esteve nas comemorações dos 700 da Marinha, onde sublinhou os sete séculos de conquistas e de combates navais.

  • Costa anuncia reunião sobre neutralidade carbónica em fevereiro
    2:03

    País

    O Presidente francês defende que é preciso ir mais longe e mais rápido na luta contra as alteração climáticas, numa resposta à decisão de Donald Trump de retirar os EUA do Acordo de Paris. Em fevereiro, será a vez de Portugal organizar uma reunião sobre energia e transportes.