sicnot

Perfil

Desporto

Rajoy entregaria Bola de Ouro de 2015 a Cristiano Ronaldo

O líder do Governo espanhol, Mariano Rajoy, disse na terça-feira que atribuía a Cristiano Ronaldo a Bola de Ouro de 2015, que premeia o melhor futebolista mundial do ano, e nomeava o selecionador de Espanha ministro do Desporto.

"Entregaria o prémio a Cristiano Ronaldo. Foi o jogador que mais gostei de ver em 2015", admitiu o líder do Governo espanhol. (Arquivo)

"Entregaria o prémio a Cristiano Ronaldo. Foi o jogador que mais gostei de ver em 2015", admitiu o líder do Governo espanhol. (Arquivo)

© Juan Medina / Reuters

"Entregaria o prémio a Cristiano Ronaldo. Foi o jogador que mais gostei de ver em 2015", admitiu Mariano Rajoy, numa entrevista à rádio Cadena Ser.

Sobre Vicente del Bosque, também presente no programa El Larguero, da Cadena Ser, Rajoy entregaria ao selecionador espanhol a pasta da Educação, Cultura e Desporto", por ser uma "pessoa responsável, sensata e de fiar".

Sobre as constantes vaias e assobios dirigidos a Pique nos últimos jogos que disputou pela seleção espanhola, Rajoy saiu em defesa do futebolista do FC Barcelona.

"Quando um jogador defende a camisola e está a fazê-lo porque quer, temos de apoiá-lo. Aliás, fê-lo durante toda a sua vida", destacou o primeiro-ministro espanhol.

Rajoy garantiu também que "cumprimentaria normalmente" Pep Guardiola, atual treinador do Bayern de Munique e manifesto apoiante da independência da Catalunha.

"Se me cruzasse com ele, claro o cumprimentaria normalmente, apesar de pensarmos de forma diferente", esclareceu Rajoy.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.