sicnot

Perfil

Desporto

Paulo Gonçalves espera um Rali Dakar "muito difícil" em 2016

O 'motard' português Paulo Gonçalves (Honda) disse hoje que espera uma edição do Rali Dakar de 2016 "muito difícil", na sequência da apresentação da prova rainha de todo o terreno, realizada hoje em Paris.

Reuters

Reuters

© Jean-Paul Pelissier / Reuters

"Sabemos que será um Dakar muito difícil. Já estávamos à espera disso. Será uma vez mais uma prova muito intensa, com mais dias de pilotagem em altitude e com etapas maratona bastante complicadas", disse Paulo Gonçalves, em comunicado divulgado pela sua assessoria de comunicação.

O piloto português tem uma opinião muito parecida com a do diretor da prova, Etienne Lavigne, que admitiu que "este Dakar será talvez mais duro do que o que estava inicialmente previsto", apesar de ter apenas passagem pela Argentina e a Bolívia.

"Temos de estar muito bem preparados. Estou certo que o trabalho que temos feito até aqui vai-nos permitir estar num bom nível, suficiente para sermos capazes de superar todas as adversidades", observou o 'motard' português.

Paulo Gonçalves é considerado um dos fortes candidatos a suceder ao espanhol Marc Coma, vencedor das duas últimas edições, que terminou a carreira desportiva, em conjunto com o espanhol Joan Barreda, o australiano Toby Price e o francês Olivier Pain.

Hélder Rodrigues, outro dos portugueses que vai disputar o Dakar de 2016, assinalou que os resultados têm sido "encorajadores" e que "todo o projeto desportivo é idealizado com vista à prova sul-americana".

A oitava edição da prova em solo sul-americano parte de Buenos Aires, a 02 de janeiro, percorrendo um total de 9.300 quilómetros -- dos quais 4.700 a 4.800 cronometrados -, até à chegada, a Rosário, no dia 16, mas sem passagem por alguns locais emblemáticos, no Chile e no Peru.

O Chile foi o primeiro a abdicar da prova, em consequência das inundações que provocaram grandes danos no norte do país, mas o Peru, que voltaria a receber o Dakar após dois anos de ausência, desistiu pouco depois, para se concentrar na gestão do risco motivado pelo fenómeno climatérico El Niño.

O Dakar de 2016 visitará pela terceira vez a Bolívia, onde a caravana terá de passar pelo salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, a mais de 3.500 metros de altitude, na mais extensa etapa da competição, com perto de 550 quilómetros.

A Argentina, a único país que marcou presença em todas as oito edições, será ainda 'dominadora' em 2016, recebendo o prólogo, o dia de descanso, a 10 de janeiro, em Salta, e falhando apenas uma etapa na sua totalidade, a sexta, precisamente, no salar de Uyuni.

Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.