sicnot

Perfil

Desporto

Ex-atleta Marta Domínguez suspensa por três anos

O Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) suspendeu hoje por três anos a ex-atleta espanhola Marta Domínguez, ao considerá-la culpada de uma violação das regras antidopagem por "anomalias no seu passaporte biológico".

Reuters

Reuters

© Andrea Comas / Reuters

O TAS decidiu também anular todos os resultados obtidos por Marta Domínguez entre 05 de agosto de 2009 e 08 de julho de 2013.

A Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) e a Agência Mundial Antidopagem (AMA) recorreram ao TAS há 14 meses, depois de a Federação Espanhola de Atletismo ter decidido não sancionar uma das atletas de referência do desporto espanhol por irregularidades no seu passaporte biológico, coincidentes com o período em que esta conquistou o título mundial nos 3.000 metros obstáculos (2009).

A IAAF considerou que os valores sanguíneos presentes no passaporte de Domínguez, entre 05 de agosto de 2009 e 04 de janeiro de 2013, apontavam para dopagem sanguínea continuada e pediu quatro anos de suspensão para a senadora do Partido Popular por Palência, cidade onde nasceu há 40 anos.

No entanto, o Comité de Competição e Jurisdição da Federação Espanhola ilibou-a em dezembro de 2013.

Com a decisão do TAS, Domínguez, que hoje tinha sido retirada das listas do PP ao congresso de Madrid e cujo nome esteve implicado nas Operações Puerto e Galgo, dois escândalos de dopagem no desporto espanhol, perde o título mundial conquistado há seis anos.

Lusa

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.