sicnot

Perfil

Desporto

Luisão diz que lesão resultou de "penálti claro" de João Pereira

Luisão defendeu hoje que a sua lesão, a mais grave da carreira, resultou de uma grande penalidade clara, que ficou por marcar na vitória do Sporting sobre o Benfica, na quarta eliminatória da Taça de Portugal de futebol.

"Eu lembro-me de estar a olhar a bola e só sentir o João Pereira a empurrar-me e colocar as pernas sobre mim. Não há a menor dúvida. Não interessa se faltam dois minutos para o final. Na minha opinião, é penalti claro. Se tivesse sido assinalado, podíamos ter empatado e levar para as grandes penalidades", disse o central brasileiro.

"Eu lembro-me de estar a olhar a bola e só sentir o João Pereira a empurrar-me e colocar as pernas sobre mim. Não há a menor dúvida. Não interessa se faltam dois minutos para o final. Na minha opinião, é penalti claro. Se tivesse sido assinalado, podíamos ter empatado e levar para as grandes penalidades", disse o central brasileiro.

Steven Governo / AP

Em declarações à BTV, o capitão dos 'encarnados', que foi operado a uma fratura do antebraço esquerdo e está pronto para iniciar a recuperação, admitiu que percebeu de imediato, quando sentiu o contacto do sportinguista João Pereira, que tinha "partido o braço", já que quis mexer a mão e não conseguiu.

"Ao longo da minha carreira, foram sempre lesões musculares, coisas simples, em que voltei rápido, sem precisar de cirurgia. Esta é a pior da minha carreira. Do mal o menos, ainda bem que é no braço e não nas pernas, que são o meu instrumento de trabalho", começou por dizer.

Para Luisão, é "nítido" que houve contacto. "Eu lembro-me de estar a olhar a bola e só sentir o João Pereira a empurrar-me e colocar as pernas sobre mim. Não há a menor dúvida. Não interessa se faltam dois minutos para o final. Na minha opinião, é penalti claro. Se tivesse sido assinalado, podíamos ter empatado e levar para as grandes penalidades", argumentou.

O defesa central referiu ainda ter visto Samaris receber "uma cotovelada" de um jogador do Sporting, que o entrevistador especificou ser Slimani, e revelou que não se recorda de um 'dérbi' tão violento.

"O que me custa como capitão é ter de acalmar os meus jogadores. No lance do Samaris, eu vi, foi nítido, e o meu papel foi manter a calma. Quando se joga um 'dérbi', há que jogar com lealdade", concluiu, considerando que a equipa merecia um resultado diferente por aquilo que fez durante o jogo.

Após o encontro que o Sporting ganhou por 2-1, qualificando-se para os oitavos de final da Taça, o internacional brasileiro foi transportado ao hospital e foi operado.

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho