sicnot

Perfil

Desporto

Medidas de segurança triplicam para o Barcelona-Roma

As medidas de segurança vão triplicar para o jogo de terça-feira entre os espanhóis do Barcelona e os italianos da AS Roma, para a Liga dos Campeões de futebol, e as autoridades pedem paciência aos adeptos.

Seydou Keita e Luis Suárez lutam pela bola no encontro da 1ª jornada do grupo E da Champions, que terminou empatado a um golo, em Roma.

Seydou Keita e Luis Suárez lutam pela bola no encontro da 1ª jornada do grupo E da Champions, que terminou empatado a um golo, em Roma.

© Tony Gentile / Reuters

O reforço das medidas de segurança surge após os atentados sangrentos de 13 de novembro, em Paris, que causaram pelo menos 13o mortos, entre os quais dois portugueses, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e as imediações do Stade France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controlo de fronteiras na sequência daquilo que o Presidente François Hollande classificou como "ataques terroristas sem precedentes no país".

As portas do Camp Nou vão abrir três horas antes do início do jogo e as pessoas vão ser obrigadas a passar por controlos especiais. Algumas das áreas do clube catalão, nomeadamente o museu, vão permanecer fechadas ao público por prevenção.

O Barcelona lidera o Grupo E, com 10 pontos, seguido da Roma (2.º), com cinco. Os italianos somam mais um ponto do que os alemães do Bayer Leverkusen (3.º) e dois do que os bielorrussos do Bate Barisov (4.º).

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.