sicnot

Perfil

Desporto

Jogo entre Atlético Madrid e Galatasaray com reforço de segurança

O jogo entre Atlético Madrid e Galatasaray, da 5ª jornada do grupo C da Liga dos Campeões em futebol, em Madrid, contará com mais 30 por cento de polícias do que o habitual.

Para o jogo no Vicente Calderón serão mobilizados 400 polícias nacionais, entre unidades para a ordem pública, cavalaria e equipas cinotécnicas, 100 municipais, 60 efetivos da proteção civil, 33 da cruz vermelha e 498 seguranças privados. (Arquivo)

Para o jogo no Vicente Calderón serão mobilizados 400 polícias nacionais, entre unidades para a ordem pública, cavalaria e equipas cinotécnicas, 100 municipais, 60 efetivos da proteção civil, 33 da cruz vermelha e 498 seguranças privados. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

Para o jogo no Vicente Calderón serão mobilizados 400 polícias nacionais, entre unidades para a ordem pública, cavalaria e equipas cinotécnicas, 100 municipais, 60 efetivos da proteção civil, 33 da cruz vermelha e 498 seguranças privados.

Segundo informação da polícia, em Madrid, "é um jogo classificado de alto risco, por ser da Liga dos Campeões".

"Todas as grandes concentrações de pessoas estarão mais protegidas e, como tal, haverá mais polícias, em 30 por cento, e também porque o clube aumentou o número de segurança de privados, mais do que o habitual", esclareceu Concepción Dancausa, da polícia madrilena.

Atlético Madrid e Galatasaray são adversários do Benfica no Grupo C da Liga dos Campeões, com os 'encarnados' a defrontarem na quarta-feira o Astana, na capital do Cazaquistão.

Também na segunda-feira foi anunciado que as medidas de segurança vão triplicar para o jogo de hoje entre os espanhóis do FC Barcelona e os italianos da AS Roma, e as autoridades pediram paciência aos adeptos.

O reforço das medidas de segurança surge após os atentados sangrentos de 13 de novembro, em Paris, que causaram pelo menos 130 mortos, entre os quais dois portugueses, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Os ataques, perpetrados por pelo menos sete terroristas, que morreram, ocorreram em vários locais da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e as imediações do Stade France, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.