sicnot

Perfil

Desporto

Zenit soma quinta vitória em cinco jogos na Liga dos Campeões

O Zenit São Petersburgo, de André Villas-Boas, assegurou esta terça-feira o primeiro lugar do Grupo H da Liga dos Campeões de futebol após receber e vencer por 2-0 o Valência, de Nuno Espirito Santo, num duelo entre treinadores portugueses.

Na quinta jornada, os campeões russos mantiveram-se 100 por cento vitoriosos no agrupamento com golos de Shatov, aos 15 minutos, e Dzyuba, aos 74.

Na quinta jornada, os campeões russos mantiveram-se 100 por cento vitoriosos no agrupamento com golos de Shatov, aos 15 minutos, e Dzyuba, aos 74.

© Grigory Dukor / Reuters

Na quinta jornada, os campeões russos mantiveram-se 100 por cento vitoriosos no agrupamento com golos de Shatov, aos 15 minutos, e Dzyuba, aos 74, este último com assistência de Danny. O internacional português foi titular, assim como Neto, que atuou como médio defensivo.

Por seu lado, João Cancelo, André Gomes e Rúben Vezo foram escolhas do Espirito Santos para o 'onze' da equipa 'che', tendo o defesa central visto o cartão vermelho direto, aos 80.

Com este triunfo, o Zenit assegurou o primeiro lugar do Grupo H, com 15 pontos, enquanto o Valência segue na segunda posição, com seis, embora ainda possa ser igualado pelo Gent, que atua ainda hoje no terreno do Lyon.

No outro encontro da 'Champions' que teve inicio mais cedo, BATE Borisov e Bayer Leverkusen empataram (1-1), um resultado que garantiu o apuramento do FC Barcelona, no Grupo E.

Na Bielorrússia, o BATE Borisov colocou-se em vantagem logo aos dois minutos, com um golo de Gordeichuk, mas Mehmedi empatou para o conjunto de Leverkusen, aos 68.

O FC Barcelona, que ainda hoje joga com a AS Roma tem 10 pontos, mais cinco do que os romanos e do que o Bayer Leverkusen e seis do que o BATE Borisov, garantindo desde já uma das duas vagas de qualificação do agrupamento.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.