sicnot

Perfil

Desporto

Bayern de Munique sofre primeira derrota na Bundelisga na visita a Moenchengladbach

O Bayern de Munique sofreu hoje a sua primeira derrota da época na Liga alemã de futebol, ao perder por 3-1 no terreno do Borussia Moenchengladbach, em jogo da 15.ª jornada da prova.

© Ina Fassbender / Reuters


Na visita a Moenchengladbach, o técnico Pep Guardiola, que em três temporadas na Bundesliga somou a primeira derrota na primeira volta da prova, repetiu um 'onze', pela primeira vez em 100 jogos oficiais, muito por culpa das lesões de David Alaba, Thiago Alcántara, Arjen Robben e Douglas Costa.

Os golos do Borussia Moenchengladbach, que nos dois encontros da época passada venceu por 2-0 em Munique e empatou 0-0 em casa, foram todos marcados no segundo tempo.

O sueco Oscar Wendt inaugurou o marcador aos 54 minutos, Lars Stindl aumentou a vantagem aos 66 e dois minutos depois o norte-americano Fabian Johson apontou o 3-0.

Os tricampeões alemães, que somavam 13 vitórias e um empate na Liga alemã, reduziram a desvantagem aos 81 minutos, por intermédio do internacional francês Franck Ribery, que entrou em campo aos 75 minutos para o lugar de Robert Lewandowski, pondo fim a uma ausência de quase nove meses devido a lesão.

Também privado de vários habituais titulares, devido a lesões, o Borussia Moenchengladbach manteve sempre uma toada ofensiva, apesar de, sobretudo, no primeiro tempo, terem pertencido ao Bayern as melhores oportunidades de golo.

No segundo tempo, o golo de Wendt animou a equipa da casa e os dois golos em dois minutos, de Lars Stindl e Fabian Johson, anteviam um raro jogo sem golos do Bayern de Munique.

Os tricampeões, que esta temporada só tinham perdido pontos no empate sem golos com o Eintracht Frankfurt, ainda sonharam com uma reviravolta, que não chegou a concretizar-se, depois do golo de Ribery que gerou alguma desconcentração no Moenchengladbach.

O técnico André Schubert continua sem derrotas na Bundesliga desde que assumiu o comando da equipa do Borussia no final de setembro, depois da saída do suíço Lucien Favre. A formação de Moenchengladbach segue na terceira posição em igualdade pontual (26) com o Hertha Berlim, que hoje venceu o Bayer Leverkusen por 2-1.

Ambas as equipas podem ser ainda hoje ultrapassadas pelo Wolfsburgo, que recebe o Borussia Dortmund, segundo da classificação e com hipótese de reduzir para cinco a diferença pontual para o líder Bayern de Munique.

Nos outros jogos disputados durante a tarde, o Hamburgo perdeu em casa por 3-1 com o Mainz, o Augsburgo foi vencer a Colónia por 1-0, e o Ingolstadt e o Hoffenheim empataram a um golo.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.