sicnot

Perfil

Desporto

Ex-patrão da Renault diz que a Fórmula 1 "está a morrer"

O antigo patrão da Renault Flavio Briatore disse esta segunda-feira acreditar que "a Fórmula 1 está a morrer" e desafiou a escuderia francesa, que vai regressar à competição em 2016, a ser competitiva rapidamente.

a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou Briatore. (Arquivo)

a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou Briatore. (Arquivo)

© Giorgio Perottino / Reuters

Ainda hoje, o sítio oficial da revista britânica Autosport revelou que a venda da Lótus à Renault, confirmada na quinta-feira passada, vai ser concluída a 16 de dezembro.

O atual patrão da Renault, Carlos Ghosn, disse, na passada sexta-feira, que a escuderia deve esperar "três anos" até se tornar "competitiva". Algo que o seu antecessor, Briatore, não concorda.

"Três anos é muito tempo, a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou.

Ainda assim, Briatore confia que Ghosn "vai colocar todos os recursos necessários para o projeto" e que a compra da Lótus é "certamente uma boa notícia para a Renault e para toda a Fórmula 1".

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.