sicnot

Perfil

Desporto

Ex-patrão da Renault diz que a Fórmula 1 "está a morrer"

O antigo patrão da Renault Flavio Briatore disse esta segunda-feira acreditar que "a Fórmula 1 está a morrer" e desafiou a escuderia francesa, que vai regressar à competição em 2016, a ser competitiva rapidamente.

a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou Briatore. (Arquivo)

a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou Briatore. (Arquivo)

© Giorgio Perottino / Reuters

Ainda hoje, o sítio oficial da revista britânica Autosport revelou que a venda da Lótus à Renault, confirmada na quinta-feira passada, vai ser concluída a 16 de dezembro.

O atual patrão da Renault, Carlos Ghosn, disse, na passada sexta-feira, que a escuderia deve esperar "três anos" até se tornar "competitiva". Algo que o seu antecessor, Briatore, não concorda.

"Três anos é muito tempo, a Fórmula 1 está a 'morrer' e a Renault tem que ser competitiva mais cedo. Para isso, eles [Renault] devem reconstruir tudo: reforçar a estrutura técnica da escuderia em Enstone [Inglaterra], onde há um grande número de pessoas competentes e também o departamento de motores em Viry-Châtillon [Paris]. Não vai ser fácil", explicou.

Ainda assim, Briatore confia que Ghosn "vai colocar todos os recursos necessários para o projeto" e que a compra da Lótus é "certamente uma boa notícia para a Renault e para toda a Fórmula 1".

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.