sicnot

Perfil

Desporto

Sá Pinto antevê "final" entre Belenenses e Fiorentina na derradeira jornada do grupo

O treinador do Belenenses afirmou hoje que a partida com a Fiorentina, da última jornada do grupo I da Liga Europa de futebol, será uma "final" e frisou que os 'azuis' acreditam que podem passar à próxima fase.

PEDRO NUNES

Ricardo Sá Pinto, que fazia a antevisão do encontro de quinta-feira, em Florença, considera que o confronto será decisivo para as duas formações, que, à entrada para a última ronda, estão separadas por dois pontos, embora com vantagem para os italianos, que somam sete, contra cinco dos lisboetas.

"É uma final, para eles e para nós. Fizemos um percurso histórico e é de louvar esta nossa primeira participação. Chegar ao último jogo e termos possibilidade de apuramento, é fantástico", disse Ricardo Sá Pinto, em conferência de imprensa.

O técnico atribuiu "mérito aos jogadores, que acreditaram sempre que era possível chegar à próxima fase" e, apesar dos elogios à Fiorentina, orientada pelo português Paulo Sousa, lembrou que o Belenenses ainda não sofreu qualquer derrota fora na prova.

"Os jogadores acreditam e temos algo a nosso favor. A par do Basileia [líder do grupo e já apurado], ainda não perdemos fora de casa. É mais um dado histórico. Sinto os jogadores ambiciosos e a acreditarem que podem passar à fase seguinte", salientou.

Por outro lado, Sá Pinto voltou a referir que o conjunto de Belém "não tem obrigação nenhuma" de seguir em frente na competição, o que não invalida que não possa "continuar a sonhar" com o apuramento.

Para a visita a Itália, os 'azuis' não vão contar contar Tonel, Dálcio, Betinho e Traquina, todos de fora por opção técnica, nem com os lesionados Miguel Rosa e Palmeira.

Belenenses e Fiorentina jogam na quinta-feira, a partir das 20:05 (hora portuguesa), no Estádio Artemio Franchi, em Florença, num jogo que será dirigido pelo russo Vladislav Bezborodov.

Para seguir em frente na competição, o conjunto português, que ocupa o quarto e último lugar do grupo I, com cinco pontos, precisa de vencer a Fiorentina, segunda classificada com sete, e esperar que o Lech Poznan (cinco) não vença na receção ao líder Basileia (10).

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.