sicnot

Perfil

Desporto

Toni despede-se dos adeptos iranianos do Tractror

O treinador de futebol Toni despediu-se hoje dos adeptos do Tractor Sazi, o clube iraniano que conduziu nos últimos anos, alegando "razões pessoais" e admitindo ser "uma decisão que vinha a adiar desde outubro".

Numa mensagem publicada na sua página oficial no Facebook, Toni diz que a decisão de pôr fim à sua ligação com o Tractor foi "uma das mais difíceis" tomadas na vida. "Vinha a adiar esta decisão inevitável desde outubro e pensei que este seria o momento certo", acrescentou o técnico.

Toni recordou os êxitos obtidos, uma Taça do Irão, dois segundos lugares na liga iraniana e três presenças na Liga dos Campeões Asiática (AFC), sublinhando que o clube está na corrida ao título iraniano, a oito pontos do primeiro classificado, assim como nas meias-finais da taça do país pela quarta vez na sua história.

"Isto apenas foi possível por causa de vocês, por causa do vosso apoio, por causa da vossa coragem, por causa do vosso amor e eu sempre soube que nunca caminhámos sozinhos. Nunca me esquecerei de Tabriz, nunca esquecerei o Tractor e vocês estarão sempre no meu coração", concluiu o treinador.

A relação do técnico português com o clube iraniano foi anormalmente intermitente. Toni chegou em junho de 2012 ao Tractor, de onde saiu em maio do ano seguinte e onde regressou janeiro de 2014 para voltar a sair seis meses depois.

O último período desta relação profissional decorreu entre fevereiro e agora.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.