sicnot

Perfil

Desporto

André Villas-Boas diz ter "vergonha" do árbitro português Jorge Sousa

O treinador português do Zenit, André Villas-Boas, afirmou sentir "vergonha" pelo árbitro luso Jorge Sousa, que dirigiu na quarta-feira a partida dos russos no terreno dos belgas do Gent, para a Liga dos Campeões de futebol.

Villas-Boas, ainda treinador do FC Porto, discute com Jorge Sousa durante um jogo do campeonato em Alvalade, frente ao Sporting. (Arquivo)

Villas-Boas, ainda treinador do FC Porto, discute com Jorge Sousa durante um jogo do campeonato em Alvalade, frente ao Sporting. (Arquivo)

Armando Franca / AP

A derrota por 2-1 não caiu bem ao técnico, que se disse "muito dececionado", apontando críticas ao 'juiz' da Associação de Futebol do Porto: "Metemos a melhor equipa, dentro do respeito pela ética, pela competição e pelo adversário. E o árbitro deu-nos vários cartões amarelos por nada".

"Tenho vergonha por este árbitro português. Cinco jogadores (em seis) foram advertidos e não vamos poder contar com eles nos oitavos de final", continuou Villas-Boas.

O treinador disse ainda ter "sonhado com a sexta vitória" noutros tantos jogos do Grupo H (primeiro classificado, com 15 pontos), "mas isso não foi possível" e admitiu que "o empate teria sido o resultado mais justo".

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.