sicnot

Perfil

Desporto

Figo diz que a investigação a Platini não afeta candidatura de Infantino à FIFA

O antigo internacional português Luís Figo considerou hoje que a investigação a Michel Platini não afetará a candidatura de Infantino à FIFA, numa entrevista à agência EFE na qual admite a hipótese de liderar um organismo do futebol luso.

"Um dia bom para FIFA e para o futebol. A mudança está finalmente a chegar. Como disse na minha declaração de sexta-feira: o dia podia tardar, mas chegaria. Ele aí está", declarou o antigo futebolista, que se candidatou às mais recentes eleições da FIFA, acabando por retirar-se a poucos dias do congresso eleitoral.

"Um dia bom para FIFA e para o futebol. A mudança está finalmente a chegar. Como disse na minha declaração de sexta-feira: o dia podia tardar, mas chegaria. Ele aí está", declarou o antigo futebolista, que se candidatou às mais recentes eleições da FIFA, acabando por retirar-se a poucos dias do congresso eleitoral.

© Leonhard Foeger / Reuters

"Não vejo como [a investigação a Platini] possa afetar a candidatura de Gianni Infantino. Toda a gente conhece o seu trabalho e o rigor. Ele vive do seu trabalho e tem vindo a desempenhar de forma brilhante todas as funções que tem ocupado", referiu Luís Figo.

O antigo futebolista explica porque decidiu apoiar a candidatura de Infantino, secretário-geral da UEFA, à FIFA: "É um homem apaixonado pelo futebol. Centrará as suas ações no futebol e não em manobras de bastidores, que têm como objetivo perpetuar quem está no poder".

Na entrevista à agência noticiosa espanhola, Luís Figo afirmou que não ponderou uma nova candidatura à FIFA por ter percebido que "sem os devidos apoios é muito difícil conseguir os objetivos".

Confrontado com a pergunta se gostaria de ocupar um cargo diretivo no Sporting, na federação portuguesa ou na liga de clubes, Luís Figo admitiu essas possibilidades e lembrou a sua experiência diretiva.

"Não escondo que ser diretor me atrai mais do que ser treinador. Tenho experiência de gestão tanto nas minhas empresas como na minha fundação. Tenho noções de direção desportiva pelos cargos que desempenhei no Inter [de Milão]. Não fecho a porta a um cargo de dirigente, desde que o projeto seja interessante", disse.

Na entrevista, Luís Figo elogiou José Mourinho, o treinador com o qual terminou a carreira em 2009 no Inter de Milão: "Mourinho é, e será sempre, especial, independentemente do que aconteça esta época. Fez e continuará a fazer história no futebol mundial. Tem um conhecimento incrível do jogo e uma forma notável de transmitir as ideias aos jogadores".

Na entrevista, o antigo internacional português, Bola de Ouro em 2000, aborda ainda as suas passagens pelo FC Barcelona (1995-2000) e Real Madrid (2000-2005) e a polémica transferência da Catalunha para a capital espanhola.

"Parece-me que a direção do FC Barcelona não mostrou o respeito que merecia como jogador importante que era para o clube. Perante esse cenário, aceitei a oferta do Real Madrid (...) Se tivesse ido para outro clube não teria havido tanta polémica, mas fui para o Real e isso levou muitos a atacarem-me sem saberem os motivos", explicou.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.