sicnot

Perfil

Desporto

Jonah Lomu morreu praticamente falido

A antiga estrela do râguebi mundial Jonah Lomu, que morreu em novembro, aos 40 anos, devido a problemas renais, estava praticamente na falência quando faleceu, revelou hoje um responsável do Sindicato dos Jogadores de Râguebi da Nova Zelândia.

© Bobby Yip / Reuters

Lomu morreu a 18 de novembro, 13 anos depois de ter abandonado a competição em consequência de um grave problema renal, que o obrigou a submeter-se a um transplante, em 2004.

O diretor executivo do Sindicato dos Jogadores de Râguebi da Nova Zelândia, Rob Nichol, confirmou que Lomu estava quase arruinado quando um grupo de empresários e amigos criaram um fundo para apoiar os seus filhos, Dhyreille e Brayley, de 6 e 5 anos, respetivamente.

"Faltam ainda algumas auditorias, mas não há grandes montantes que possam ser canalizados à família", reconheceu Nichol aos microfones da rádio NewstalkZB.

Nichol considerou que Lomu foi "vítima da sua própria generosidade, à custa da sua própria família", para além de suportar os "elevados custos dos seus tratamentos médicos e diálises".

"Era um tipo muito orgulhoso e não queria ser um fardo para ninguém, nem pedir ajuda. Se quisessem ajudar, rejeitava. Preferia ajudar do que ser ajudado. Todos pensam que ganhou muito dinheiro, mas a sua doença, e os tratamentos que implicava, forçaram-no a passar por grandes dificuldades", lamentou Rob Nichol.

No dia da sua morte, a diretora da UNICEF na Nova Zelândia, Vivien Maidaborn, lembrou Jonah Lomu como "modelo de desportista e de pai", destacando o "apoio que sempre deu ao trabalho da UNICEF".

Lomu, somou 63 internacionalizações pelos 'All Blacks', entre 1994 e 2002, e revolucionou o râguebi, graças a uma forma de jogar baseada na sua velocidade e envergadura, contribuindo para a promoção da modalidade em todo o mundo, num período que coincidiu com a profissionalização da modalidade.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".