sicnot

Perfil

Desporto

Piloto Elisabete Jacinto com "ambição de pódio" para a próxima época

A piloto de todo-o-terreno Elisabete Jacinto garantiu esta quarta-feira que terá "ambição de pódio" na época desportiva 2016, que começa com a prova Africa Eco Race, que decorre 29 de dezembro e 10 de janeiro.

(Arquivo)

(Arquivo)

PAULO DUARTE / AP

Elisabete Jacinto admitiu que na última temporada desportiva não ficou "100% realizada", explicando que teve de "investir muito tempo no camião", o que não lhe permitiu alcançar os resultados desportivos desejados, mas em 2016 vai procurar "lugares de pódio".

"Não escondo a ambição de ficar bem classificada em todas as provas. Às vezes temos ambições secretas de ganhar algumas provas mas também sei que terei a competir comigo pilotos muito preparados e com outros recursos", disse a piloto todo-o-terreno na apresentação da temporada.

A época de Elisabete Jacinto começa no final deste mês no Mónaco com a Africa Eco Race, prova com cerca de 6.000 quilómetros entre Marrocos, Mauritânia e Senegal, num total de 12 etapas.

De 18 a 31 de março, Elisabete Jacinto vai participar no Rallye Aicha des Gazelles e, pelo segundo ano consecutivo, fará equipa com a belga France Cleves, aos comandos de uma pick-up Amarok, sendo esta a única prova de quatro em que não conduzirá um camião.

A dupla luso-belga correrá sob as cores da Volkswagen Bélgica na 26.ª edição de um rali que só admite equipas femininas, e no qual a piloto portuguesa já ficou na segunda posição, ambicionando agora alcançar o primeiro posto.

Com poucos dias de intervalo, segue-se, de 14 a 21 de abril, a grande novidade da época 2016 o Libya Rali, que vai disputar-se em Marrocos, tendo já 20 equipas inscritas em camião.

"Será a primeira vez que participarei nesta prova, que já vai na 8.ª edição e que sempre quis correr. Vai ser uma temporada entusiasmante e repleta de corridas, mas vai também ser extremamente cansativa, pois há provas com datas muito próximas", descreveu Elisabete Jacinto, que fecha a época em outubro (de 01 a 07) com o Rali de Marrocos.

Focada na componente desportiva, a piloto todo-o-terreno reafirmou que no próximo ano vai optar por "investir menos tempo na reparação do camião", mas admitiu ter outra ambição: "tornar o motor um bocadinho mais potente".

Atualmente, o camião MAN TGS que Elisabete Jacinto conduz desde 2009 tem 680 cavalos e a meta é aumentar a potência para 800/850.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.