sicnot

Perfil

Desporto

Direção da agência russa antidopagem demitiu-se

A direção da Agência russa antidopagem (RUSADA) demitiu-se hoje na sequência do escândalo de doping que afetou o atletismo russo, tendo sido designada uma nova diretora interina.

© Maxim Shemetov / Reuters

"Demitiram-se os quatro dirigentes da RUSADA [incluindo o diretor geral, Ramil Khabriev, e o seu número dois, Nikita Kamaïev]", revelou à AFP uma porta-voz da agência, indicando que Anna Antseliovitch é a nova diretora interina.

A 13 de novembro, a Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF) tinha suspendido provisoriamente a Rússia por uso generalizado de substâncias proibidas, que um relatório elaborado por uma comissão de inquérito independente da Agência Mundial Antidopagem (AMA) denunciou ter apoio estatal.

A comissão independente da AMA recomendou a suspensão da federação russa, por práticas de doping, bem como a retirada da acreditação à RUSADA, cujo diretor foi responsável pela destruição de 1.417 amostras consideradas suspeitas de práticas dopantes.

O documento elaborado pela comissão acusava também, entre outras coisas, os serviços secretos russos de intimidação dos responsáveis pela análise de amostras recolhidas nos Jogos Olímpicos Sochi2014 e recomendava, igualmente, a irradiação de cinco atletas e cinco treinadores.

De acordo com uma nota publicada na página da RUSADA, Ramil Khabriev demitiu-se a 10 de dezembro, dia em que uma equipa de especialistas da AMA começou a trabalhar em Moscovo com o intuito de ajudar a Rússia a reformar as suas práticas antidopagem.

Khabriev, que dirigia, igualmente, o Instituto Nacional de saúde pública, agradeceu aos funcionários da agência pela "cooperação frutuosa" e desejou-lhes paciência.

Os outros três dirigentes apresentaram a demissão antes da do diretor geral.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.