sicnot

Perfil

Desporto

Luís Filipe Vieira classifica de "escandalosa" a arbitragem do jogo com Rio Ave

O presidente do Benfica classificou hoje de "escandalosa" a arbitragem do jogo da 14.ª jornada da I Liga, com o Rio Ave (3-1), adiantando que os 'encarnados' estão atentos ao que se tem passado no futebol português.

(Arquivo)

(Arquivo)

"Gostava de ver amanhã (segunda-feira), nas manchetes dos jornais desportivos, o título roubo em letras bem grandes. Vocês, jornalistas, viram bem o que se passou hoje na Luz. E o mais estranho é que o líder dos árbitros é o mesmo da última época. Escrevam a verdade, não tenham receio", frisou Luís Filipe Vieira, na zona mista do Estádio da Luz.

Vieira deixou implícito que ficaram três grandes penalidades por marcar contra o Rio Ave e estabeleceu a ponte com o jogo Nacional-FC Porto, vencido pelos dragões.

"Vocês viram o que se passou na semana passada na Madeira. Ficaram dois penáltis por marcar contra o FC Porto, o segundo dos quais absolutamente escandaloso", sublinhou.

O presidente 'encarnado' vincou ainda que o Benfica está bastante atento ao que se está a passar na arbitragem. "Não estamos dormentes", disse.

Contundente, Luís Filipe Vieira concluiu: "Não sei se são os 'vouchers' ou se alguns jornalistas são convidados por esses clubes para alguns almoços e jantares. Repito. Nós estamos atentos e espero que vocês, jornalistas, também estejam".

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.