sicnot

Perfil

Desporto

Três jogos da 19ª jornada da Liga marcados para dia das eleições presidenciais

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional revelou hoje que três partidas da 19.ª jornada da Liga foram marcadas para o próprio dia das eleições presidenciais, apesar de ter procedido à antecipação das datas oficiais.

Será a segunda vez na sua carreira que Liran Liany, de 40 anos, estará num jogo dos bracarenses.

Será a segunda vez na sua carreira que Liran Liany, de 40 anos, estará num jogo dos bracarenses.

© Valentin Flauraud / Reuters

De acordo com os calendários divulgados hoje de quatro jornadas - da 16.ª à 19.ª -, os encontros FC Porto-Marítimo, Belenenses-Vitória de Guimarães e Sporting de Braga-Rio Ave foram agendados para o dia 24 de janeiro.

Apesar de ter antecipado em um dia a data oficial da jornada, a Liga justifica a marcação das três partidas para o dia das eleições com o facto de ter de cumprir com as 72 horas de descanso regulamentares entre os jogos de competições oficiais (partidas de dia 20 de janeiro referentes à segunda jornada, fase 3, da Taça da Liga e jornada 19 da I Liga), tendo recebido ainda o consentimento por parte das equipas envolvidas.

A Liga revela ainda ter instruído as Sociedades Desportivas no sentido de tomarem as devidas diligências para que todos os envolvidos recenseados possam exercer o seu direito de voto antecipadamente.

Lusa

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • "É muito importante ceder à tentação de se abolir a liberdade"
    1:06