sicnot

Perfil

Desporto

Lei antidopagem alemã passa a prever prisão para desportistas dopados

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano.

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano. (Arquivo)

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano. (Arquivo)

© Ina Fassbender / Reuters

O projeto de lei do Governo alemão foi adotado em março último e recebeu entretanto o aval das duas câmaras do Parlamento em novembro, antes de ser assinado pelo Presidente germânico, Joachim Gauck.

Na opinião do presidente da Federação alemã de Atletismo, Clemens Prokop, esta lei "é um modelo mundial" e serve para "proteger os atletas e o desporto", afirmou o responsável numa entrevista a uma rádio bávara, citada pela AFP.

"É uma declaração a favor de um desporto limpo e um apoio a todos os desportistas que estão em competição sem dopagem", disse, pelo seu lado, o ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, na altura da adoção da lei pelo governo.

A nova legislação alemã antidopagem tipifica penas de prisão até três anos para os desportistas controlados com substâncias dopantes ou na posse destes produtos, mas pode alcançar os dez anos para treinadores, médicos, ou quaisquer representantes dos desportistas envolvidos nestes processos.

A lei abrange apenas dos desportistas de alta competição, ou seja, um universo de cerca de sete mil atletas, que figuram nas listas da agência alemã de antidopagem (NADA).

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.