sicnot

Perfil

Desporto

Lei antidopagem alemã passa a prever prisão para desportistas dopados

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano.

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano. (Arquivo)

Os desportistas alemães considerados culpados de dopagem ou detentores de produtos dopantes podem ser punidos com penas de prisão até três anos, de acordo com a nova lei alemã antidopagem, que entrou em vigor no início do ano. (Arquivo)

© Ina Fassbender / Reuters

O projeto de lei do Governo alemão foi adotado em março último e recebeu entretanto o aval das duas câmaras do Parlamento em novembro, antes de ser assinado pelo Presidente germânico, Joachim Gauck.

Na opinião do presidente da Federação alemã de Atletismo, Clemens Prokop, esta lei "é um modelo mundial" e serve para "proteger os atletas e o desporto", afirmou o responsável numa entrevista a uma rádio bávara, citada pela AFP.

"É uma declaração a favor de um desporto limpo e um apoio a todos os desportistas que estão em competição sem dopagem", disse, pelo seu lado, o ministro alemão da Justiça, Heiko Maas, na altura da adoção da lei pelo governo.

A nova legislação alemã antidopagem tipifica penas de prisão até três anos para os desportistas controlados com substâncias dopantes ou na posse destes produtos, mas pode alcançar os dez anos para treinadores, médicos, ou quaisquer representantes dos desportistas envolvidos nestes processos.

A lei abrange apenas dos desportistas de alta competição, ou seja, um universo de cerca de sete mil atletas, que figuram nas listas da agência alemã de antidopagem (NADA).

Lusa

  • Cavaco apela ao voto contra a eutanásia
    1:09

    País

    A eutanásia será discutida no Parlamento na terça-feira e os deputados do PS e PSD terão liberdade de voto. O PCP e CDS já se anteciparam e garantem que vão votar contra. Cavaco Silva é outra voz crítica em relação a esta questão. O ex-Presidente da República diz que é a decisão mais grave que os deputados podem tomar e apela que nas legislativas de 2019 não se vote nos partidos que forem a favor da morte medicamente assistida.

  • Papa terá pedido a bispos que rejeitem seminaristas homossexuais
    1:15
  • Duquesa de Sussex já tem brasão

    Harry & Meghan

    O Palácio de Kensington apresentou esta sexta-feira o brasão da Duquesa de Sussex, Meghan Markle. O brasão foi criado pelo College of Arms mas teve a ajuda da duquesa para que este fosse "pessoal e representativo".

    SIC

  • Moradores de Lake Worth recebem alerta para invasão de mortos-vivos

    Mundo

    E se de repente recebesse uma mensagem que alertava que a sua cidade estava a ser atacada por mortos-vivos? Foi o que aconteceu com os moradores da cidade norte-americana de Lake Worth, que foram surpreendidos durante a madrugada por uma mensagem de emergência dos serviços estatais, que os avisava de "atividade extrema de mortos-vivos".

    SIC