sicnot

Perfil

Desporto

Lito Vidigal defende uso de tecnologia na arbitragem

O treinador do Arouca, Lito Vidigal, defendeu esta segunda-feira a implementação de novas tecnologias na arbitragem, depois da polémica na partida com o Nacional (2-2), da 15ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

"Temos tido jogos com casos difíceis de analisar e temos sido um pouco prejudicados, mas não me parece que há intenção dos árbitros. Não há necessidade dos árbitros terem uma pressão tão grande para avaliar esses lances. Está na altura de incluir tecnologia na arbitragem", defendeu o treinador do Arouca. (Arquivo)

"Temos tido jogos com casos difíceis de analisar e temos sido um pouco prejudicados, mas não me parece que há intenção dos árbitros. Não há necessidade dos árbitros terem uma pressão tão grande para avaliar esses lances. Está na altura de incluir tecnologia na arbitragem", defendeu o treinador do Arouca. (Arquivo)

Rebecca Blackwell / AP

No sábado, o Nacional fez o golo do empate nos instantes finais, num lance em que a equipa técnica e jogadores do Arouca defendem que a bola não passou a linha de golo.

"Temos tido jogos com casos difíceis de analisar e temos sido um pouco prejudicados, mas não me parece que há intenção dos árbitros. Não há necessidade dos árbitros terem uma pressão tão grande para avaliar esses lances. Está na altura de incluir tecnologia na arbitragem", defendeu o treinador do Arouca.

Lito Vidigal deu como exemplo os elementos da sua própria equipa técnica que, estando no banco de suplentes, se apoiam nas novas tecnologias e "numa fração de segundos" percebem se o árbitro tomou ou não uma decisão errada.

"Se é isenção que estamos à procura, é por aí que temos de caminhar. E não estou a olhar só para as equipas, olho para os árbitros que saem prejudicados pelas decisões erradas que tomam", afirmou.

O Arouca, oitavo classificado com 20 pontos, recebe na quarta-feira o Estoril-Praia, 11.º classificado com 17 pontos, e o treinador reafirma que "o primeiro pensamento do Arouca é vencer", face a um adversário "difícil e com qualidade".

Ainda sem contar com Mateus nem Wagner, dois reforços do 'mercado de inverno', por falta dos certificados internacionais, Lito Vidigal não conta ainda com Zequinha, expulso na Madeira, já depois do final do jogo.

"Não sei o que se passou. Ele diz que não fez nada e eu fico limitado nas opções", lamentou.

O Arouca-Estoril tem início marcado para as 16:00 de quarta-feira, no Estádio Municipal de Arouca, com arbitragem do portuense Artur Soares Dias.

Lusa

  • Tudo o que precisa saber sobre a moção de censura ao Governo

    País

    O Governo minoritário do PS enfrenta na terça-feira a sua primeira moção de censura, a 29.ª em 43 anos de democracia, mas PCP, BE e PEV já anunciaram que vai "chumbar" a iniciativa do CDS-PP. Esta é a sétima moção de censura apresentada pelo CDS-PP e a 29.ª a ser discutida na Assembleia da República. Os três partidos de esquerda que têm apoiado o executivo, PCP, BE e PEV, já anunciaram que votam contra. Com os votos do PS, a moção é chumbada.

  • Encontrado corpo de menina posta de castigo na rua pelo pai

    Mundo

    Sherin Mathews estava desaparecida desde o dia 7 de outubro. Este domingo a polícia do estado norte-americano do Texas encontrou o corpo de uma criança que acreditam ser a menina de três anos, desaparecida depois de o pai a colocar de castigo na rua, durante a madrugada.

    SIC

  • A cadela que desistiu da CIA para ir "perseguir esquilos e coelhos"

    Mundo

    Nem todos os cães têm aptidão para combater o crime. Este é o caso de Lulu, uma cadela que estava a treinar para ser agente da CIA, mas que acabou por entrar na reforma ainda durante os treinos. Através do Twitter, a agência norte-americana anunciou na semana passada que Lulu já não iria treinar mais e que tinha sido adotada pelo agente que a treinava.

    SIC

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC