sicnot

Perfil

Desporto

Guardiola revela que quer treinar em Inglaterra

O treinador do Bayern Munique, Pep Guardiola, revelou hoje que pretende treinar um clube da Primeira Liga inglesa de futebol, mas assinalou que ainda não tem "qualquer proposta" para prosseguir a carreira.

reuters

"Quero treinar em Inglaterra", disse o treinador espanhol, na primeira conferência de imprensa depois de ter anunciado que abandonaria o tricampeão alemão no fim da época 2015/2016.

Guardiola, de 44 anos, tem sido apontado pela comunicação inglesa como sucessor do português José Mourinho no comando técnico Chelsea, mas também como futuro treinador do Manchester City, que é orientado pelo chileno Manuel Pellegrini.

"Ainda não tenho qualquer proposta. Tenho a possibilidade de ir para Inglaterra. Este é um bom momento para o fazer. Ainda sou jovem e preciso de um novo desafio", sustentou o treinador espanhol.

Guardiola disse esperar que os responsáveis do Bayern Munique possam compreender a sua decisão de deixar o líder destacado do campeonato alemão no fim da temporada, considerando que o italiano Carlo Ancelotti é o "treinador ideal" para o substituir no comando do clube bávaro.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.