sicnot

Perfil

Desporto

Materazzi deseja boa sorte a Zidane "sem ironia"

Marco Materazzi, antigo jogador do Inter e da seleção italiana de futebol, agredido à cabeçada por Zinedine Zidane na final do Mundial de 2006, desejou esta terça-feira boa sorte ao francês nas novas funções de treinador do Real Madrid.

A cabeçada de Zidane a Materazzi - o momento que marcou a final do Mundial 2006, entre Itália e França.

A cabeçada de Zidane a Materazzi - o momento que marcou a final do Mundial 2006, entre Itália e França.

Reuters

"Zidane pode contar com o peso das suas personalidade no balneário, mas não será fácil. Os grandes 'ex' que chegam ao banco estão condenados a ganhar logo depois de dois ou três jogos. Eu, de qualquer forma, não estou a ser irónico e desejo-lhe boa sorte", disse Materazzi, em entrevista à Gazetta dello Sport.

Materazzi também envia um recado a 'Rafa' Benítez, o treinador destituído no clube de Madrid, assegurando que "sem empatia com os jogadores, não se pode ir longe".

"Tinha previsto isto, só me enganei por dez dias. Podes ser o melhor do mundo mas se não tiveres empatia com os jogadores, se não te aproximares dos que têm mais personalidade e dos que não jogam, não podes ir longe. São os que jogam menos que te salvam nos momentos difíceis", defendeu.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.