sicnot

Perfil

Desporto

Rafa Benítez deseja "toda a sorte" a Zidane no Real Madrid

O ex-treinador do Real Madrid, Rafa Benítez, afirmou esta terça-feira que foi "uma honra" treinar o clube da liga espanhola de futebol, e desejou "toda a sorte" a Zinedine Zidane, que o substituiu no cargo.

"Como madridista, madrileno e desportista formado nos valores e prioridades desta instituição, estou honrado com a oportunidade que tive de trabalhar com estas cores", referiu o técnico espanhol.

"Como madridista, madrileno e desportista formado nos valores e prioridades desta instituição, estou honrado com a oportunidade que tive de trabalhar com estas cores", referiu o técnico espanhol.

Daniel Ochoa de Olza / AP

Em carta de despedida, divulgada publicamente, o técnico espanhol dirigiu-se também aos jogadores, dirigentes e adeptos, considerando-se um madridista: "Quero que saibam que foi uma honra ocupar este cargo, num clube que me viu crescer como futebolista, pessoa e treinador, da formação à primeira equipa".

"Como madridista, madrileno e desportista formado nos valores e prioridades desta instituição, estou honrado com a oportunidade que tive de trabalhar com estas cores", escreveu.

Rafa Benítez dirigiu-se diretamente aos seus sucessores: "Gostaria de desejar toda a sorte a Zinedine Zidane, meu substituto, e a toda a sua equipa de trabalho, assim como a cada um dos jogadores, técnicos e funcionários que trabalham para bem do clube".

O técnico concluiu com um "Hala Madrid", a mais tradicional frase de apoio à equipa, e uma frase curta e concisa, escrita em maiúsculas: "E mais nada!!!".

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras