sicnot

Perfil

Desporto

"As coisas já não estavam bem no FC Porto a todos os níveis"

Jaime Pacheco escusou-se esta quinta-feira a comentar a possível saída de Julen Lopetegui do FC Porto, mas admitiu que "as coisas já não estavam bem a todos os níveis" na equipa da I Liga de futebol.

"Nunca é tarde para se mudar quando quem manda entende que deve mudar. Se o FC Porto entendeu fazer isso, tem as suas razões", referiu o técnico. (Arquivo)

"Nunca é tarde para se mudar quando quem manda entende que deve mudar. Se o FC Porto entendeu fazer isso, tem as suas razões", referiu o técnico. (Arquivo)

© Nacho Doce / Reuters

O treinador afirmou, à margem da uma cerimónia de homenagem a José Maria Pedroto no Instituto Universitário da Maia (ISMAI), que "quem deve assumir a responsabilidade quando as coisas não estão bem é, de facto o treinador".

"Nunca é tarde para se mudar quando quem manda entende que deve mudar. Se o FC Porto entendeu fazer isso, tem as suas razões", referiu o técnico que atualmente está sem clube para treinar.

Sobre a possibilidade de vir a treinar o FC Porto, Jaime Pacheco não quis abordar a questão: "Estou cá por uma ocasião especial. Não quero entrar por aí. Há pessoas que gostam de mim, outras não. O meu currículo fala por mim. Sou capaz de ser competente em Portugal e no estrangeiro".

Jaime Pacheco classificou ainda de "lamentável" a troca de palavras entre Rui Vitória e Jorge Jesus acrescentando que "estão a passar dos limites".

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.