sicnot

Perfil

Desporto

Carlos Sousa abandona Dakar após despiste na quinta etapa

O piloto português Carlos Sousa (Mitsubishi) abandonou hoje a edição 2016 do rali de todo-o-terreno Dakar, após um despiste na quinta etapa, que marcou a entrada na Bolívia.

NICOLAS AGUILERA

O português, que participava para 15.ª vez na prova, saiu de pista ao quilómetro 188, numa altura em que chovia intensamente e o vidro ficou embaciado.

"Foi tudo muito rápido. O Paulo Fiúza estava a tentar limpar o vidro, porque a visibilidade era quase nula... E em 2 segundos, estávamos fora de estrada. Ficámos com o carro junto a um precipício, pendurado em duas pedras. O nosso colega de equipa ainda tentou ajudar-nos, mas na posição em que o carro ficou, só mesmo com a ajuda de um camião", disse Carlos Sousa.

De acordo com o piloto, "começou a cair granizo e a temperatura baixou para perto dos 0 graus".

"Estávamos a 4.000 metros de altitude e começamos a passar um pouco mal. Ao fim de cerca de duas horas, os médicos da organização insistiram para abandonarmos o local, porque não nos deixariam passar ali a noite. Viemos de helicóptero e estamos agora no acampamento, tristes e desolados por este desfecho. Enfim, este não foi o nosso Dakar", lamentou.

Carlos Sousa, cujo melhor prestação foi um quarto lugar em 2003, já tinha tido problemas na segunda etapa, na qual precisou que o seu carro fosse rebocado, perdendo mais de duas horas.

Lusa

  • Atrás das Câmaras em Mirandela
    2:36

    Atrás das Câmaras

    A SIC está a percorrer o pais para ouvir as historias dos municípios e dos eleitores. Até às autárquicas, o programa opinião pública dá lugar ao Atrás das Câmaras, que hoje está em Mirandela, no distrito de Bragança, como conta a repórter Catarina Lázaro.

    Hoje na SIC e SIC Notícias

  • Ambiente e direitos humanos dominam discurso de Costa na ONU
    2:03
  • "Não é possível fazer tudo ao mesmo tempo"
    0:39

    Orçamento do Estado 2018

    O deputado e economista do PS Paulo Trigo Pereira defende que o desagravamento fiscal que o Governo quer pôr em marcha é "moderado". Em entrevista ao Público e à Renascença, o socialista diz que é preciso realismo e que é uma "alquimia" mexer ao mesmo tempo nas carreiras, pensões e rendimentos dos trabalhadores.

  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15