sicnot

Perfil

Desporto

Touré considera "indecente" a escolha de Aubameyang como futebolista africano do ano

O médio do Manchester City Yaya Touré considerou hoje "indecente" a escolha de Pierre-Emerick Aubameyang como futebolista africano do ano, considerando que a sua derrota na votação trouxe "vergonha" ao continente.

Jon Super

"É triste ver África agir assim, não dando importância a coisas africanas", disse o médio à Radio France International (RFI).

Touré era o favorito para conquistar pelo quinto ano consecutivo, um recorde, o prémio de futebolista africano do ano, depois de ter guiado a Costa do Marfim rumo ao título na Taça das Nações Africanas (CAN), mas o jogador do Manchester City perdeu para o gabonês do Borussia Dortmund.

"É isto que envergonha África. Comportar-se desta forma é indecente, mas o que posso fazer? Não demonstrámos que África é importante aos nossos olhos. Damos mais importância ao que acontece lá fora do que no nosso continente, o que é patético", concluiu.

Touré foi ainda mais longe, apontando um exemplo à escala global: "Se o Lionel Messi ganhou todos os troféus, mas a Bola de Ouro na segunda-feira for parar ao Cristiano Ronaldo, o que é que diríamos? Que era injusto".

Aubameyang, de 26 anos, é o melhor marcador da Liga alemã, com 18 golos em 17 jogos, e recebeu 143 votos na escolha dos treinadores, com Touré a receber menos sete.

O terceiro classificado, com 112 votos, o avançado ganês do Swansea, Andre Ayew, também se mostrou surpreso pela escolha, uma vez que pensava que seria o costa-marfinense a vencer e ele a ficar em segundo, por ter sido o melhor marcador da CAN.

"Atenção, o Aubameyang é um amigo e teve um ano estupendo. Mas temos de respeitar as competições. Se nós africanos não o fizermos, quem o fará? Sinceramente, teria de ser o Yaya ou eu...", argumentou à versão online do L'Équipe.

O Gabão foi eliminado na primeira ronda da CAN.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.