sicnot

Perfil

Desporto

Touré considera "indecente" a escolha de Aubameyang como futebolista africano do ano

O médio do Manchester City Yaya Touré considerou hoje "indecente" a escolha de Pierre-Emerick Aubameyang como futebolista africano do ano, considerando que a sua derrota na votação trouxe "vergonha" ao continente.

Jon Super

"É triste ver África agir assim, não dando importância a coisas africanas", disse o médio à Radio France International (RFI).

Touré era o favorito para conquistar pelo quinto ano consecutivo, um recorde, o prémio de futebolista africano do ano, depois de ter guiado a Costa do Marfim rumo ao título na Taça das Nações Africanas (CAN), mas o jogador do Manchester City perdeu para o gabonês do Borussia Dortmund.

"É isto que envergonha África. Comportar-se desta forma é indecente, mas o que posso fazer? Não demonstrámos que África é importante aos nossos olhos. Damos mais importância ao que acontece lá fora do que no nosso continente, o que é patético", concluiu.

Touré foi ainda mais longe, apontando um exemplo à escala global: "Se o Lionel Messi ganhou todos os troféus, mas a Bola de Ouro na segunda-feira for parar ao Cristiano Ronaldo, o que é que diríamos? Que era injusto".

Aubameyang, de 26 anos, é o melhor marcador da Liga alemã, com 18 golos em 17 jogos, e recebeu 143 votos na escolha dos treinadores, com Touré a receber menos sete.

O terceiro classificado, com 112 votos, o avançado ganês do Swansea, Andre Ayew, também se mostrou surpreso pela escolha, uma vez que pensava que seria o costa-marfinense a vencer e ele a ficar em segundo, por ter sido o melhor marcador da CAN.

"Atenção, o Aubameyang é um amigo e teve um ano estupendo. Mas temos de respeitar as competições. Se nós africanos não o fizermos, quem o fará? Sinceramente, teria de ser o Yaya ou eu...", argumentou à versão online do L'Équipe.

O Gabão foi eliminado na primeira ronda da CAN.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras