sicnot

Perfil

Desporto

Itália recusa votar na Bola de Ouro em protesto contra ausência de Buffon

O selecionador italiano de futebol, Antonio Conte, e o capitão, Gianluigi Buffon, não participaram na votação da Bola de Ouro em protesto contra a ausência do guarda-redes na lista de pré-candidatos, noticia hoje a comunicação social transalpina.

reuters

De acordo com os diários desportivos Gazzetta dello Sport e Corriere dello Sport, Conte e Buffon não votaram por imposição da Federação Italiana de Futebol, que tomou a decisão em novembro, quando uma fuga de informação tornou pública a lista de 59 pré-selecionados, da qual não constava o nome de Buffon.

Numa lista que integrava cinco guarda-redes - Manuel Neuer, Iker Casillas, atualmente ao serviço do FC Porto, Thibaut Courtois, Claudio Bravo e David Ospina -, sobressaia a ausência do guardião da Juventus, que na época passada foi preponderante na conquista do título italiano e na presença na final da Liga dos Campeões.

O representante da comunicação social autorizado a votar foi o único italiano que participou no processo de atribuição da Bola de Ouro de 2015, que consagrou pela quinta vez o avançado argentino Lionel Messi, já designado melhor futebolista mundial em 2009, 2010, 2011 e 2012.

O prémio foi entregue na Gala da Bola de Ouro FIFA, em Zurique, na Suíça, com o jogador do FC Barcelona a suceder ao português Cristiano Ronaldo (Real Madrid), que também era finalista, tal com o brasileiro Neymar, igualmente do 'Barça

  • Protestos e violência no Rio de Janeiro
    1:08
  • Marcelo diz que a Europa precisa de paixão
    2:36
  • Cogumelos alucinogénios entre as drogas mais seguras

    Mundo

    Os cogumelos alucinogénios são considerados uma das drogas mais seguras, quando consumidos para fins recreativos. A conclusão é avançada no Global Drug Survey, um estudo anual divulgado esta quarta-feira sobre os hábitos de consumo de drogas de quase 120 mil pessoas em 50 países.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.