sicnot

Perfil

Desporto

Lamar Odom sem vestígios de substâncias ilícitas nos exames médicos

As autoridades que investigaram o ex-basquetebolista Lamar Odom, encontrado inconsciente há três meses num bordel, informaram segunda-feira não terem encontrado vestígios de drogas nas análises ao bicampeão da Liga Norte-americana de Basquetebol pelos Los Angeles Lakers.

Odom representou os Lakers entre 2004 e 2011, tendo deixado temporariamente a NBA em 2013, após uma época ao serviço dos Los Angeles Clippers. (Arquivo)

Odom representou os Lakers entre 2004 e 2011, tendo deixado temporariamente a NBA em 2013, após uma época ao serviço dos Los Angeles Clippers. (Arquivo)

© Lucas Jackson / Reuters

Lamar Odom, que se sagrou campeão pela equipa californiana em 2009 e 2010, foi internado de urgência em outubro depois de encontrado inconsciente num bordel do Nevada, nos Estados Unidos, ficando internado num hospital de Las Vegas.

Três dias depois do internamento, Odom saiu do estado de coma e começou a comunicar com a equipa médica que o acompanhava.

As autoridades policiais do condado de Nye revelaram agora que não foram encontrados vestígios de substâncias ilícitas em todos os exames realizados ao jogador, abortando a suspeita de consumo de cocaína.

Odom representou os Lakers entre 2004 e 2011, tendo deixado temporariamente a NBA em 2013, após uma época ao serviço dos Los Angeles Clippers.

Em abril de 2014, chegou a assinar pelos New York Knicks para a reta final da temporada, mas acabou dispensado pela equipa três meses depois.

Além dos dois títulos pelos Lakers, Odom conta também no currículo a medalha de bronze nos Jogos Olímpicos Atenas 2004 e o título mundial em 2010, no campeonato disputado na Turquia.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.