sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho fala em origem duvidosa do capital nos fundos de investimento

O presidente do Sporting voltou esta quarta-feira a 'atacar' os fundos de investimento, ao referir que se trata de entrada no mundo do futebol de verbas que "podem ter a ver com apostas ilegais ou [o tráfico de] drogas".

O presidente do Sporting incorre agora num processo disciplinar ao abrigo do artigo do regulamento disciplinar que diz respeito à Lesão da Honra e reputação dos agentes desportivos. (Arquivo)

O presidente do Sporting incorre agora num processo disciplinar ao abrigo do artigo do regulamento disciplinar que diz respeito à Lesão da Honra e reputação dos agentes desportivos. (Arquivo)

Lusa

"A minha luta não é contra a opção dos clubes de recorrerem a entidades financeiras, mas contra a chegada ao mundo de futebol de dinheiro que não se sabe de onde vem, cujos proprietários não se sabe quem são", referiu Bruno de Carvalho em entrevista à EFE.

O presidente 'leonino' foi mais longe na sua explicação, ao referir que se trata de pessoas com relações "com paraísos fiscais" e que "podem ter a ver com apostas ilegais ou com [o tráfico de] drogas".

À EFE, Bruno de Carvalho, em conflito com o fundo de investimento Doyen, ainda antes de o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) ter condenado o Sporting neste litígio, disse que "o futebol não pode ser o santuário de todo o dinheiro sujo, só porque precisa dele [de dinheiro]".

O Sporting foi condenado pelo TAS a pagar à Doyen mais de 12 milhões de euros, acrescidos de juros, pela mais-valia da venda de Marcos Rojo ao Manchester United, bem como 75% de qualquer montante que possa advir para o clube, como consequência do seu direito de 20% de mais-valias em qualquer transferência futura do internacional argentino superior a 23 milhões de euros.

Na entrevista à EFE, Bruno de Carvalho também foi crítico com os empresários, dizendo que "criam ilusões" aos futebolistas, falando-lhes do interesse de grandes equipas, de ordenados astronómicos, gerando instabilidade.

"As regras dizem que os clubes só podem falar com um jogador depois de chegarem a acordo com as equipas em que jogam, mas não se passa assim", salientou, pedindo uma "vigilância mais apertada" nestas matérias.

Bruno de Carvalho destacou, no entanto, já ter acertado renovações de vários jogadores com o empresário Jorge Mendes e disse acreditar que "mais tarde ou mais cedo" farão algum negócio conjunto.

Lusa

  • " A melhoria das contas públicas não foi feita à custa dos portugueses"
    1:30

    País

    Numa espécie de balaço deste ano e meio de governação, o primeiro-ministro voltou a assinalar voltou a assinalar a redução do défice e as melhorias nas contas públicas. Num jantar com militantes em Coimbra, António Costa garantiu ainda que a "verdadeira reforça do Estado avança até ao final desta legislatura, que é a Descentralização.

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • Norte também quer naturismo e praias de nudistas

    País

    O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu hoje a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.