sicnot

Perfil

Desporto

Interpol emite mandado de captura para filho do ex-presidente da IAAF

A Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) emitiu hoje um mandado de captura para Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack, ex-presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF).

Reuters

Reuters

© Thomas White / Reuters

No seu alerta, feito na rede social Twitter, a Interpol diz que Papa Massata Diack é procurado em França "por suborno, lavagem de dinheiro e acusações de corrupção".

A fotografia de Papa Diack surge numa lista de 332 pessoas procuradas pela organização.

Em agosto, Lamine Diack saiu da presidência da IAAF, antes de ser acusado de corrupção pela justiça francesa. O ex-dirigente e o seu filho, antigo consultor de marketing no organismo, são acusados de corrupção e suborno na ordem dos milhões de euros.

Na última semana, Papa Diack foi irradiado, juntamente com mais duas pessoas, pela comissão de ética da IAAF , por implicação em atos de corrupção.

A irradiação aplicava-se também aos russos Valentin Balakhnichev, tesoureiro do organismo máximo do atletismo até dezembro de 2014 e antigo presidente da federação do seu país, e Alexei Melnikov, antigo treinador da seleção de marcha.

A IAAF foi abalada por suspeitas de corrupção e irregularidades relacionadas com doping na sequência de um relatório divulgado em novembro pela Agência Mundial Antidopagem (AMA), que já levou à suspensão da Federação Russa de Atletismo, por uso por uso sistemático de doping.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.