sicnot

Perfil

Desporto

Estádio olímpico de Tóquio será ecológico e de tradição arquitetónica

O estádio olímpico de Tóquio, para os Jogos de 2020, será um recinto aberto à cidade, pensado de forma ecológica e com influência da tradição arquitetónica japonesa, revelou hoje o arquiteto do projeto, Kengo Kuma.

© Yuya Shino / Reuters

Na sua primeira aparição pública depois de ser selecionado, Kuma explicou que o principal material a ser utilizado na construção do novo estádio olímpico será a madeira, um material muito usado na sua arquitetura, de manutenção simples e duradoura.

Com um desenho inspirado nos templos e santuários xintoísta, o arquiteto disse esperar que o público internacional possa sentir o "calor" da madeira e apreciar "a beleza e calma" das sombras projetadas no estádio.

"Utilizarei o mais possível a madeira e gostaria que ela viesse de uma localidade próxima", acrescentou Kengo Kuma, de 61 anos, arquiteto que tem no estádio olímpico o projeto de maior envergadura da sua carreira.

Em relação aos aspetos ecológicos, o arquiteto explicou que a construção contará com uma fonte de energia limpa, ao incluir painéis solares "visíveis, porque fazem parte do desenho", e que aproveitará o vento, na 'fisionomia' do projeto, para poupar no ar condicionado.

O estádio terá essa forte componente ecológica, ao incluir também uma fachada repleta de terraços com vegetação e que árvores e plantas serão regadas com água reciclada.

O responsável quer ainda que o futuro estádio integre a cidade, tendo em conta que o antigo, na sua opinião, é "um cenário solitário".

"Gostaria que as pessoas de Tóquio pudessem aproveitá-lo para além dos Jogos", sublinhou.

O novo estádio, que se erguerá no terreno ocupado pelo anterior, inaugurado em 1958, começou por ser polémico, depois de o projeto da arquiteta anglo-iraquiana Zaha Hadid ter sido o primeiro a ser escolhido.

A escolha acabou por 'cair', com o projeto a ser muito criticado pelos seus custos elevados -- com o dobro do orçamento previsto -, e a sua excessiva magnitude e um projeto pouco envolvente com o meio exterior.

Na quinta-feira a arquiteta anglo-iraquiana denunciou na sua página na internet as semelhanças entre o seu projeto e o atual, selecionado em dezembro passado, entrando em litígio com o governo japonês devido a direitos de autor.

Um representante do Conselho dos Desportos do Japão (CSD) admitiu a disputa pelos direitos de propriedade intelectual do projeto, depois da arquiteta Zaha Hadid ter acusado o Japão de querer apoderar-se dos mesmos depois do cancelamento do contrato.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.