sicnot

Perfil

Desporto

UEFA retira Sporting da lista de incumpridores do fair-play financeiro

A entidade de controlo financeiro da UEFA retirou esta segunda-feira o Sporting do elenco de clubes em incumprimento relativamente às regras de fair-play financeiro da organização de cúpula do futebol europeu.

Lusa

Da lista de clubes ilibados por fechados e cumpridos acordos de regularização das respetivas situações, divulgada hoje pela UEFA em comunicado, consta também o Hull City (Inglaterra) e o Panathinaikos (Grécia).

O Galatasaray (Turquia), porém, continua em incumprimento e sob a alçada do 'Club Financial Control Body' (CFCB) da UEFA.

"Os três clubes [Sporting, Hull City e Panathinaikos] cumpriram integralmente com os termos dos respetivos acordos e, em consequência, foram retirados do regime de liquidação", pode ler-se no comunicado.

Em outubro, o Sporting negou oficialmente que tivesse quebrado as regras do 'fair-play' financeiro impostas pela UEFA, negando ainda que a entidade que tutela o futebol europeu tenha 'chumbado' as contas do clube 'leonino'.

"A Sporting Clube de Portugal, SAD tem vindo a cumprir as suas obrigações decorrentes do acordo celebrado com o 'Club Financial Control Body' da UEFA, no passado mês de maio, o qual vigora até ao final da corrente época desportiva de 2015/16", pode ler-se no primeiro de seis pontos do comunicado enviado então pelo clube à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com a comunicação social, a UEFA teria aberto uma investigação às contas do clube de Alvalade por este desrespeitar as regras do 'fair-play' financeiro, que 'obrigam' a que o clube não apresente prejuízos acumulados superiores a 30 milhões de euros no conjunto das épocas 2014/15, 2013/14 e 2012/13, algo que os 'leões' referiam estar a cumprir.

"Na época de 2012/13, a Sporting, SAD apresentou um prejuízo de 43,5 milhões de euros, na época seguinte de 2013/14 apresentou um lucro de 8,6 milhões de euros. Deste modo, para a época 2014/15, para efeitos de cumprimento das regras do Fair Play da UEFA e do 'break-even' agregado das três épocas, seria suficiente um resultado positivo de 4,9 milhões de euros", pode ler-se ainda na comunicação efetuada na altura.

A concluir, o Sporting admitiu ainda em outubro que as suas contas iriam continuar a ser 'vigiadas' pela UEFA, tal como acontece com todos os clubes participantes em competições tuteladas por esse organismo.

A organização que tutela o futebol europeu acrescenta no comunicado hoje divulgado que a CFCB "continuará a monitorizar os clubes que assinaram acordos de regularização, em particular aqueles cujos acordos previam um 'break-even' durante a época de 2015/2016" -- entre os quais o Hapoel Telavive (Israel), Ruch Chorzów (Polónia), Rostov (Rússia) e Kardemir Karabukspor (Turquia).

Lusa

  • Sporting precisa de lucro de 4,9 M € para atingir passivo permitido pela UEFA

    Desporto

    O Sporting esclareceu, em comunicado, que precisa de apresentar um saldo positivo de 4,9 milhões de euros em julho para cumprir o limite de passivo de 30 milhões imposto pela UEFA no âmbito do "fair-play" financeiro. O clube chegou na sexta-feira a acordo com a UEFA para o cumprimento do "fair-play" financeiro, podendo regressar já na próxima época à conformidade com os regulamentos. No comunicado divulgado, o Sporting explica que depois do passivo de 43,5 milhões de 2012/13 da responsabilidade da anterior direção e do lucro de 8,6 milhões da temporada passada, o limite de 30 milhões de passivo será atingido com um valor positivo de 4,9 milhões. O Sporting esclarece ainda que só se este valor não for atingido é que a UEFA poderá impor algumas limitações, nomeadamente ao nível do número de jogadores a inscrever nas competições europeias de clubes e da retenção de prémios.

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52