sicnot

Perfil

Desporto

Messi vai a julgamento por três crimes de fraude fiscal

O futebolista internacional argentino Lionel Messi, avançado do FC Barcelona, e o seu pai, Jorge Horacio Messi, vão ser julgados por três crimes fraude fiscal na Audiência de Barcelona, informou hoje o Tribunal Superior de Justiça da Catalunha.

© Reuters Staff / Reuters (Arquivo)

Messi, designado melhor futebolista mundial em 2015, e o seu pai terão de responder perante o juiz do tribunal de Barcelona, entre 31 de maio e 3 de junho, pelo desvio de 4,1 milhões de euros da autoridade tributária espanhola.

O Ministério Público, que pretende ver Jorge Messi condenado a 18 meses de prisão, pediu o arquivamento do processo contra o jogador, por considerar que não teve conhecimento da fraude, mas os representantes do Estado espanhol mantiveram a acusação, pedindo um pena de 22 meses de prisão para cada.

A 10 de junho de 2015, o tribunal de Barcelona decidiu manter Messi indiciado dos crimes de fraude fiscal, que foram assumidos perante o juiz de instrução pelo pai e representante do jogador do clube campeão espanhol, europeu e mundial.

Dois meses depois de ter sido indiciado, Messi entregou cinco milhões de euros à autoridade tributária, com o propósito de ressarcir o fisco espanhol do dinheiro que, alegadamente, deveria ter sido entregue e não foi, referente ao período entre 2007 e 2009.

Lusa

  • Árbitros recuam e vão apitar jogos do próximo fim de semana

    Desporto

    Os árbitros recuaram esta quarta-feira na intenção de não comparecer nos jogos do próximo fim de semana. Depois de na terça-feira a maioria dos juízes terem apresentado um pedido de dispensa dos jogos da 12.ª jornada do campeonato, esta quarta-feira adiaram a decisão após uma reunião com o Conselho de Arbitragem.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.