sicnot

Perfil

Desporto

Mascherano aceita um ano de prisão por fraude fiscal, mas pede pena suspensa

O futebolista argentino Javier Mascherano aceitou hoje a condenação a um ano de prisão por fraude fiscal, mas pediu ao tribunal de Barcelona a suspensão da pena e a sua substituição por multa no valor de 21.600 euros.

© Marcos Brindicci / Reuters

O tribunal ratificou o acordo entre Mascherano, o Ministério Público e os representantes do Estado espanhol, condenando ainda o defesa do FC Barcelona ao pagamento de multa de 815.000 euros por dois crimes de fraude fiscal, no valor de 1,5 milhões de euros, cometidos em 2011 e 2012.

O futebolista, que pediu a substituição da pena prisão por outra multa, de 21.600 euros, foi considerado culpado de ter utilizado empresas estrangeiras para ocultar do fisco espanhol receitas provenientes dos seus direitos de imagem.

De acordo com a acusação, o jogador desenvolveu uma estratégia com o objetivo de não declarar as receitas obtidas com a marca Nike, simulando a cedência de direitos a uma empresa meramente instrumental, sediada na Madeira, em Portugal.

O médio internacional argentino já tinha devolvido 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200.000 euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação, o que veio a acontecer.

Lusa

  • Portugueses querem contratar Obama

    Mundo

    Contratar Barack Obama. Pode parecer uma tarefa impossível, mas para a startup portuguesa Swonkie a única resposta a este desafio é "Yes We Can", mote da campanha presidencial de Obama de há nove anos.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.