sicnot

Perfil

Desporto

Mascherano aceita um ano de prisão por fraude fiscal, mas pede pena suspensa

O futebolista argentino Javier Mascherano aceitou hoje a condenação a um ano de prisão por fraude fiscal, mas pediu ao tribunal de Barcelona a suspensão da pena e a sua substituição por multa no valor de 21.600 euros.

© Marcos Brindicci / Reuters

O tribunal ratificou o acordo entre Mascherano, o Ministério Público e os representantes do Estado espanhol, condenando ainda o defesa do FC Barcelona ao pagamento de multa de 815.000 euros por dois crimes de fraude fiscal, no valor de 1,5 milhões de euros, cometidos em 2011 e 2012.

O futebolista, que pediu a substituição da pena prisão por outra multa, de 21.600 euros, foi considerado culpado de ter utilizado empresas estrangeiras para ocultar do fisco espanhol receitas provenientes dos seus direitos de imagem.

De acordo com a acusação, o jogador desenvolveu uma estratégia com o objetivo de não declarar as receitas obtidas com a marca Nike, simulando a cedência de direitos a uma empresa meramente instrumental, sediada na Madeira, em Portugal.

O médio internacional argentino já tinha devolvido 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200.000 euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação, o que veio a acontecer.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão