sicnot

Perfil

Desporto

Mascherano aceita um ano de prisão por fraude fiscal, mas pede pena suspensa

O futebolista argentino Javier Mascherano aceitou hoje a condenação a um ano de prisão por fraude fiscal, mas pediu ao tribunal de Barcelona a suspensão da pena e a sua substituição por multa no valor de 21.600 euros.

© Marcos Brindicci / Reuters

O tribunal ratificou o acordo entre Mascherano, o Ministério Público e os representantes do Estado espanhol, condenando ainda o defesa do FC Barcelona ao pagamento de multa de 815.000 euros por dois crimes de fraude fiscal, no valor de 1,5 milhões de euros, cometidos em 2011 e 2012.

O futebolista, que pediu a substituição da pena prisão por outra multa, de 21.600 euros, foi considerado culpado de ter utilizado empresas estrangeiras para ocultar do fisco espanhol receitas provenientes dos seus direitos de imagem.

De acordo com a acusação, o jogador desenvolveu uma estratégia com o objetivo de não declarar as receitas obtidas com a marca Nike, simulando a cedência de direitos a uma empresa meramente instrumental, sediada na Madeira, em Portugal.

O médio internacional argentino já tinha devolvido 1,5 milhões de euros, acrescidos de 200.000 euros de juros, na perspetiva de uma redução de pena, em caso de condenação, o que veio a acontecer.

Lusa

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.