sicnot

Perfil

Desporto

Bolt pondera adiar reforma para depois dos Jogos Olímpicos de Tóquio

Usain Bolt está a ponderar adiar a sua reforma, prevista para 2017, para participar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, assumiu esta segunda-feira o atleta jamaicano, seis vezes campeão olímpico.

Bolt confessou que não quer sentir-se a regredir enquanto todos os outros progridem. (Arquivo)

Bolt confessou que não quer sentir-se a regredir enquanto todos os outros progridem. (Arquivo)

Andy Wong / AP

"Veremos o que acontece, porque o meu treinador disse-me que consigo participar nos Jogos de 2020 e eu acredito nele. Não digo que vá fazê-lo, mas o meu treinador [Glen Mills] aconselhou-me a parar de falar de reforma", revelou o campeão olímpico dos 100, 200 e 4x100 metros, em Pequim2008 e Londres2012, ao canal Television Jamaica.

Há vários anos que Bolt, de 29 anos, garante que no Rio2016 fará a sua última presença olímpica e que os Campeonatos do Mundo de atletismo de Londres (2017) serão a sua última grande competição internacional.

No entanto, a estrela jamaicana admite que a preparação para outros Jogos Olímpicos o preocupa.

"Quanto mais velhos somos, mais o treino se torna duro. Correr aos 32, 33, 34 anos vai exigir muito trabalho. Penso que posso fazê-lo e vou tentar, mas o mais importante para mim é abandonar o atletismo no topo", assumiu o recordista mundial dos 100 e dos 200 metros.

'Lightning Bolt', que tem 11 títulos mundiais no seu palmares, deu os exemplos de Michael Johnson, quádruplo campeão olímpico, e de Michael Jordan, lenda da NBA.

"Uma vez perguntei ao Michael Johnson o porquê de ter abandonado o atletismo depois do seu segundo título olímpico [nos 400 metros, em Sydney2000, quatro anos depois do conquistado em Atlanta]. Ele respondeu: 'Alcancei tudo o que havia para alcançar na minha modalidade, para quê continuar?", contou, lembrando que Jordan deixou o basquetebol no ano em que somou o seu sexto título na Liga norte-americana de basquetebol.

Bolt confessou que não quer sentir-se a regredir enquanto todos os outros progridem.

Lusa

  • E agora?
    15:07

    Reportagem Especial

    Há uma semana, Portugal voltou a ser palco de uma tragédia que matou pelo menos 44 pessoas e deixou cerca de 70 feridas. Os incêndios destruíram mais de 800 casas, dezenas de empresas e explorações agropecuárias, mataram milhares de animais e consumiram uma gigantesca área de floresta. A reportagem da SIC andou pelo concelho de Tondela, onde três pessoas morreram e o levantamento de prejuízos ainda não está fechado.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • "Não compreendi absolutamente nada a substituição do Casillas"
    1:58
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    Os guarda-redes de FC Porto e Benfica estão neste momento em destaque depois de José Sá ter assumido a baliza dos dragões em detrimento de Iker Casillas. Nas águias, Svilar repetiu a titularidade frente ao Desportivo das Aves. Os comentadores do programa Play-Off Rodolfo Rei, Rui Santos, João Alves e Manuel Fernandes analisaram as duas situações.

  • Famílias afetadas pelos fogos começam a receber bens de primeira necessidade
    2:30
  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quem são os lesados do BES?
    4:52